Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Autor de tentativa de atentado em Paris mandou ameaças à imprensa

media Forças de segurança na avenida Champs Elysees logo após o ataque. 19/06/17 REUTERS/Gonzalo Fuentes

As investigações encontraram uma conexão entre o autor do ataque frustrado na avenida Champs-Elysées e uma carta de ameaças contra a França endereçada à imprensa, de acordo com fontes próximas da polícia.

Segundo o jornal Le Monde, Adam Djaziri é o provável autor de uma carta recebida por várias redações, a partir de 29 de maio, na qual ele ameaça um “banho de sangue” na França, em nome “dos soldados do califado”. O documento é acompanhado por uma fotomontagem que mostra uma metralhadora do tipo kalachnikov.

“Há um elo entre o autor da carta e Djaziri”, confirmou a fonte próxima das investigações. Fichado por radicalização ao islamismo pela polícia, Djaziri havia prestado fidelidade ao grupo jihadista Estado Islâmico (EI) em uma carta-testamento. Ele morreu no dia 19 de junho ao lançar seu carro contra um furgão de policiais na avenida Champs-Elysées, em Paris.

Computador e metralhadora

A investigação preliminar, iniciada dia 31 de maio e encomendada pela procuradoria de Paris aos policiais do serviço de informação francês e dos setores antiterrorista e de luta contra a criminalidade cibernética, permitiu estabelecer que “a mensagem partiu do computador” do suspeito e que a metralhadora tipo kalachnikov encontrada no carro de Djaziri “apresentava muitas semelhanças” com a que se vê na fotomontagem.

A carta enviada à imprensa tem oito páginas, apresenta uma proposta estruturada e é corretamente redigida. Apesar das suposições, os policiais querem se manter "prudentes" nesse estágio da investigação.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.