Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Jornalista francês morre após explosão de mina no Iraque

media O jornalista francês Stéphan Ville­neuve, morto em Mossul. Linkedin

O jornalista francês Stephan Villeneuve, ferido na segunda-feira (19) pela explosão de uma mina na cidade iraquiana de Mossul, morreu em consequência dos ferimentos, anunciou nesta terça-feira (20) a estatal France Télévisions.

Stephan Villeneuve, que trabalhava para o programa "Envoyé Spécial", estava em Mossul com o jornalista curdo Bakhtiyar Addad, que também morreu, e com outros dois franceses que estão feridos, informaram a France Télévisions e a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

"A direção e as equipes da France Télévisions se associam à dor de sua companheira, Sophie, de seus quatro filhos, de seus familiares e de todos os seus amigos. Apresentamos nossas mais sinceras condolências".

Villeneuve e a jornalista francesa Véronique Robert preparavam uma reportagem sobre a batalha de Mossul para o canal estatal France 2, e após a explosão da mina estavam internados no hospital de uma base militar americana. O terceiro jornalista francês, Samuel Forey, que ficou levemente ferido no braço e no rosto, trabalha para o jornal Le Figaro e as revistas Télérama e Les Inrocks.

O jornalista curdo Bakhtyiar Addad atuava para vários meios de comunicação, incluindo a France Télévisions.

Os jornalistas acompanhavam as forças especiais iraquianas na batalha para recuperar a segunda cidade do Iraque do grupo Estado Islâmico (EI), onde cerca de 100.000 civis são "mantidos como escudos humanos" pelos extremistas, segundo a ONU.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.