Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/12 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Parisiense processa Estado por problemas respiratórios ligados à poluição

media Paris enfrentou vários picos de poluição em 2016. PATRICK KOVARIK / AFP

Uma parisiense com problemas respiratórios crônicos abriu nesta quarta-feira (7) um processo contra o Estado francês. Ela acusa as autoridades de não tê-la protegido contra os efeitos nocivos da poluição. Esse é o primeiro caso do tipo apresentado na justiça do país.

Clotilde Nonnez, de 56 anos é professora de ioga e ex-bailarina profissional. Apesar de levar uma vida que considera saudável, ela afirma que desde que mora em Paris sua saúde vem se degradado. "Toda vez que há um episódio prolongado de poluição eu fico doente", declarou à AFP.

Ela explicou que "quase morreu" durante um pico de poluição em dezembro de 2016. "Meus problemas pulmonares provocaram um problema cardíaco sério", uma pericardite, conta Clotilde. Hoje ela toma medicamentos contra a asma e bronquite em um tratamento que pode durar a vida toda.

Seu advogado, François Lafforgue, afirmou que depositou em nome de sua cliente uma queixa junto ao Tribunal Administrativo de Paris. Eles pedem € 140 mil por "danos sofridos". "A vida da minha cliente foi profundamente alterada em razão de seus problemas médicos, suas passagens pelos serviços de emergência durante os picos (de poluição) e seus tratamentos", explicou o advogado, ressaltando o "a angústia e o prejuízo ligado ao risco maior de sofrer um câncer".

Para o advogado, o "Estado não estabeleceu regras suficientemente vinculativas" para combater a poluição do ar e "quando legisla, não faz o suficiente para a aplicação" da lei. Lafforgue salientou que esta é a primeira denúncia do tipo na França, mas indicou que 30 outras pessoas vão fazer o mesmo nos próximos meses em Paris e outras cidades francesas como Lyon e Lille (norte).

A capital francesa enfrentou em dezembro passado seu pior e mais longo episódio de poluição de inverno da última década. Porém, os níveis de qualidade do ar na capital francesa ainda estão melhores que os registrados em cidades como Pequim ou Nova Delhi.

Segundo a OMS, a poluição do ar causa 48 mil mortes prematuras por ano na França.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.