Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Primeira-dama francesa usa roupa emprestada na posse

media Pierre René-Worms Brigitte Macron, 64 anos, chega para a posse no Palácio do Eliseu. Foto: Pierre René-Worms/RFI

O presidente francês, Emmanuel Macron, promete tomar medidas para aumentar a transparência e moralizar a vida pública. A fim de evitar escândalos semelhantes aos que foram fatais para seu adversário e ex-premiê François Fillon, Macron revelou o valor do terno que usou na posse e a origem do traje de sua mulher, Brigitte Macron. 

O novo presidente francês foi entronizado no cargo com um terno azul-marinho da loja Jonas&Cie, localizada no bairro Sentier, em Paris, conhecido pelo comércio atacadista na área da moda. A vestimenta custou € 450, cerca de R$ 1,6 mil.

Já a primeira-dama vestiu um traje da marca de luxo Louis Vuitton (LV). O conjunto azul de três peças foi concebido especialmente para ela pelo estilista Nicolas Ghesquière, diretor artístico da marca. A bolsa e os sapatos de Brigitte também foram fornecidos pela LV. Assessores do presidente garantem que tudo foi "emprestado" para a posse. Ela já tinha aparecido com roupas da Louis Vuitton no domingo passado, quando o casal comemorou a vitória no Museu do Louvre.

Com esse terno a preço razoável, Macron busca se distinguir da imagem dos políticos da antiga geração, rejeitados pelos franceses nas urnas. O conservador Fillon, que chegou a liderar a campanha presidencial até o início do ano, saiu da batalha eleitoral indiciado por suspeita de nepotismo. Os franceses também descobriram recentemente que Fillon recebeu ternos de presente no valor de € 48,5 mil desde 2012.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.