Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/05 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 26/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 26/05 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/05 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Discriminação durante campanha eleitoral aumentou homofobia na França

media O ano de 2016 marcou o aumento de atos homofóbicos, exacerbados pela campanha eleitoral francesa SOS Homophobie

Os atos homofóbicos na França aumentaram consideravelmente em 2016, depois de dois anos em baixa. Esta é a conclusão do relatório anual da associação SOS Homofobia, único termômetro da evolução da questão no país, que atribui o crescimento ao grande número de declarações discriminatórias durante a campanha eleitoral.

"O ódio contra pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneras (LGBT) persiste, aumenta e se instala profundamente em nossa sociedade", constata SOS Homofobia. No ano passado, a associação registrou 1.575 depoimentos de vítimas contra 1.318 en 2015, ou seja, um aumento de 19,5%.

Campanha eleitoral e preconceito

Em 2013, durante os polêmicos debates do casamento para pessoas do mesmo sexo, houve um pico de violência contra a classe, com 3.517 testemunhos. Passada esta fase, as agressões diminuiram e, em 2015, ficaram no mesmo nível de 2009.

Mais durante a campanha presidencial, principalmente durante as primárias da direita, "o discurso conservador, de ódio, foi amplamente reproduzido pelas mídias, o que estimulou os argumentos discriminatórios", analisa Joel Deumier, o presidente do SOS Homofobia.

Ele cita como exemplo as declarações do coletivo de associações contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, "Manif pour tous", retomado igualmente por seu braço político, o movimento "Senso Comum", um dos principais apoios do candidato fracassado da direita François Fillon, do partido Os Republicanos.

Joel Deumier também aponta a Internet - que define como um espaço de expressão que escapa à legislação - de servir de "cara para bater" para os homofóbicos. O relatório demonstra que 22,5% das agressões ocorrem no web, nos meios familiares (15%) e em locais públicos (14%).

No Twitter, hashtags violentos como "LesHomosexuelsDoiventDisparaitre (Os homossexuais devem desaparecer) ou EnsembleLuttonsContreLesPd (Lutemos juntos contra os pederastas) apareceram.

Transgêneros, vítimas mais vulneráveis

O paradoxo também é assinalado no estudo: se 2016 foi um ano histórico para os transgêneros franceses, que tiveram o processo de mudança de estado civil facilitado, os atos de violência contra a classe praticamente dobraram, passando de 63 em 2015 para 121 em 2016.

"As pessoas trans se percebem muito mais como vítimas, em um contexto em que sua visibilidade é mais forte e elas ressentem as discriminações de forma muito mais chocante", observa Deumier.

O perfil da vítima de homofobia, segundo o relatório de SOS Homofobia, é homem (57% das queixas), vive fora do conglomerado de Île-de-France (64%) e tem entre 25 e 50 ans (63%); 45% foram insultados e 13% sofreram agressão física.

A homossexualidade ainda é considerada um crime em mais de 50 Países.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.