Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França decreta multa contra modelos anoréxicas e impõe menção de foto retocada

media Modelos deverão passar por um exame médico obrigatório para poder exercer a profissão. Reuters/ Caetano Barreira

Dois decretos publicados nesta sexta-feira (5) no Jornal Oficial francês impõem regras para combater a anorexia no meio da moda e imagens retocadas da silhueta das modelos. As regras valem para manequins de outros países europeus que exerçam a profissão na França. As infrações poderão ser punidas com pena de prisão e multa de até R$ 262 mil.

O primeiro decreto, que entra em vigor neste sábado (6), estabelece que as modelos terão de apresentar um atestado médico comprovando que não estão excessivamente magras e possuem um índice de massa corporal (IMC) compatível com um bom estado de saúde. O documento terá validade de no máximo dois anos. Empregadores que não respeitarem a lei poderão ser punidos com penas de até seis meses de prisão e multa de € 75 mil, cerca de R$ 262 mil.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMC), uma pessoa é considerada magra se o seu IMC, que é a relação entre peso e altura, for inferior a 18,5. A agência da ONU estabelece distinções entre magreza leve (entre 17 e 18,5), moderada (entre 16 e 17) e severa (abaixo de 16).

O segundo decreto, sobre as imagens retocadas, entra em vigor em 1° de outubro. O texto determina que as fotografias que receberem tratamento digital, seja para alterar as formas do corpo ou apagar imperfeições, terão de ser publicadas com a menção "imagem retocada". A regra se aplica à imprensa, às peças publicitárias, aos catálogos e prospectos distribuídos nas ruas e divulgados na internet. O decreto exclui da obrigatoriedade os editoriais de moda das revistas. A multa, nesse caso, será de € 37,5 mil, aproximadamente R$ 130 mil, em caso de infração comprovada.

Evitar a promoção de ideais de beleza inacessíveis

As medidas, regulamentadas a uma semana do fim do governo socialista, têm o objetivo de prevenir distúrbios alimentares. Em um comunicado, o Ministério da Saúde francês afirma que as disposições visam "evitar a promoção de ideais de beleza inacessíveis e prevenir a anorexia entre os jovens, assim como proteger a saúde dessa categoria da população particularmente afetada por esse risco".

Os distúrbios de comportamento alimentar atingem cerca de 600 mil jovens na França. Desse total, 40 mil sofrem de magreza doentia. A anorexia já é a segunda causa de mortalidade na faixa etária de 15 a 24 anos, só perdendo para os acidentes de trânsito.

Madri foi a primeira capital europeia a adotar medidas contra a anorexia no meio da moda, proibindo desde 2006 modelos com um IMC inferior a 18. Fora da Europa, Israel adotou em 2012 a "lei do photoshop", em referência ao nome do software de tratamento de imagem. As modelos israelenses também precisam ter um IMC superior a 18,5 para poder trabalhar. Itália, Chile e Bélgica adotaram medidas semelhantes.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.