Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 20/01 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 20/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 20/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/01 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Galerista esquece quadro de um milhão de euros em táxi de Paris

media A tela, avaliada em € 1,5 milhão, foi esquecida no porta-malas de um táxi parisiense

A polícia francesa revelou nesta terça-feira (2) o desaparecimento de uma obra de arte em Paris, mas desta vez o responsável é um marchand distraído. Na última quinta-feira (27), um galerista deveria apresentar uma tela do pintor ítalo-argentino Lucio Fontana a um colecionador, mas acabou esquecendo o objeto valioso no porta-malas de um táxi.

O quadro desaparecido é uma pintura de Lucio Fontana da série "Concetto spaziale", composta por obras monocromáticas com cortes verticais. A tela está avaliada em € 1,5 milhão, segundo uma fonte policial.

O marchand distraído prestou queixa por roubo, no último sábado (29), mas até agora o taxista não foi localizado. O policial que registou a queixa disse que o próprio galerista guardou a obra no porta-malas. Porém, ao descer do táxi no terceiro distrito da capital, "ele esqueceu o quadro no porta-malas".

Pintor discutiu espaço e tempo em suas obras

Lucio Fontana (1899-1968) nasceu em Rosário, na Argentina. Filho de imigrantes, ele retornou com a família para a Itália em 1920. Seu trabalho é de díficil classificação. Pintor e escultor, ele transitou pelo barroco, pelo cubismo e o futurismo, depois de um início de carreira ligado ao academicismo.

Em 1947, Fontana publicou o "Manifesto Blanco", que influenciará muitos artistas abstratos. A partir de 1949, ele começa a pintar superfícies monocromáticas e a "maltratar" o suporte. Inicialmente, Fontana faz cortes na tela. Mais tarde, a partir de 1958, ele aprofunda as incisões. É a primeira vez que um artista, na história da arte, "ataca" a superfície da tela. Fontana introduz em seu trabalho a noção do espaço, do tempo e da profundidade. Ele é um dos primeiros artistas que falam em arte conceitual, que privilegia a ideia no lugar da obra executada.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.