Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 16/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 16/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Começa julgamento de célula jihadista que atacou mercearia judaica na França

media Julgamento da célula jihadista começou nesta quinta-feira em Paris Jacques DEMARTHON / AFP

O julgamento de 20 pessoas suspeitas de pertencer a um grupo jihadista que atacou um mercearia kosher (que vende produtos que obedecem os preceitos do judaísmo) em 2012 e que planejava ataques contra militares e viagens à Síria começou nesta quinta-feira (20) em Paris.

A França permanece em estado de emergência a poucos dias do primeiro turno da eleição presidencial. Nesta semana, as autoridades anunciaram ter evitado um atentado.

Três anos antes dos atentados de Paris em 2015, os serviços de segurança consideravam essa célula integrada por jovens de Torcy (periferia da Paris) e de Cannes (sudeste) a mais perigosa desbaratada na França desde os ataques em 1995 do Grupo Islâmico Armado (GIA) argelino.

Os acusados, com idades entre 23 e 33 anos, comparecem a um tribunal especial que julga os crimes terroristas. Dez deles estão em detenção provisória, sete sob controle judicial e três são alvos de ordem de detenção. Um está foragido, e as autoridades acreditam que os outros dois estão na Síria.

O grupo é acusado de ter atacado uma mercearia kosher em Sarcelles, na região de Paris, em 19 de janeiro de 2012. A granada jogada no local deixou um cliente ferido. Muitos acusados podem ser condenados a 30 anos de prisão e até à prisão perpétua. O julgamento deve prosseguir até 7 de julho.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.