Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 30/04 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 28/04 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 30/04 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 28/04 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 30/04 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 30/04 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 30/04 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 30/04 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Paris cria parques no rio Sena e jardins no metrô contra a poluição

Paris cria parques no rio Sena e jardins no metrô contra a poluição
 
Divulgação/facebook. paris.fr

Uma Paris mais verde e mais limpa: esse é o objetivo de diversos projetos que investem na criação de espaços para pedestres e ciclistas, novos parques e até jardins dentro de estações do metrô. As autoridades francesas apostam nessas iniciativas para oferecer mais natureza aos parisienses e melhorar a qualidade do ar na capital, depois dos frequentes picos de poluição registrados no último inverno.

O Rives de Seine, um parque de sete quilômetros nas margens do rio Sena, foi recentemente inaugurado, apesar da oposição de alguns políticos em fechar uma parte da região à circulação de veículos. Para a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, o projeto foi ousado, mas necessário.

"Foi preciso ousar para vencermos. Vocês acompanharam a polêmica e o combate que travamos pelo Rives de Seine. Fomos adiante porque precisamos oferecer espaços para a população e para os visitantes nos centros urbanos. Nós não somos contra os carros, mas somos contra a poluição", declarou durante a inauguração do parque.

Embora elogiado por muitos parisienses e turistas, o Rives de Seine não é unanimidade, especialmente entre os motoristas da capital. "Eu moro a cerca de 150 metros do parque. Isso quer dizer que, a partir de agora, para eu voltar do trabalho à noite, o trajeto que eu fazia em 15, 20 minutos, vai durar meia hora, 45 minutos, ou seja, duas ou três vezes mais do que o tempo que eu levava antes", reclama o parisiense Jérôme.

Jardins dentro do metrô

Além do fechamento de algumas vias nos arredores do rio Sena, outras iniciativas tentam levar mais natureza ao dia a dia dos parisienses e talvez possam até convencê-los a deixar seus veículos em casa. A Rede Autônoma de Transportes de Paris (RATP), que gerencia o transporte público na região da capital, desenvolve atualmente um projeto de criação de jardins em algumas estações ao ar livre do metrô, que deve começar a colocada em prática nas linhas 2 e 6 no segundo semestre deste ano.

A ideia surgiu em uma consulta promovida pela rede sobre a melhora dos serviços no transporte público da capital e foram os próprios moradores de Paris que sugeriram os espaços verdes no metrô. Franck Avice, diretor de serviços de relações clientes e espaços da RATP, acredita que essa escolha não foi por acaso.

Divulgação RATP

"Isso demonstra o interesse das pessoas por trajetos que sejam mais verdes e que aliviem um pouco o cinza e o excesso de construções da cidade. A vegetalização das estações de metrô faz parte dessa tendência de tornar a capital francesa mais verde e limpa. E, não há dúvidas, oferecer natureza através dos transportes traz um respiro para os viajantes", afirmou, em entrevista à RFI.

Avice ressalta que, além das operações permanentes, a RATP também planeja colocar em prática projetos temporários de vegetalização do metrô. A primeira delas será realizada em maio, em algumas estações, durante a Festa da Natureza. “O objetivo de todas essas operações é melhorar o cotidiano de nossos viajantes, de forma que eles encontrem um pouco de ‘verde’ em seus trajetos diários”, reitera.

Espaços verdes combatem a poluição

Divulgação paris.fr

A implementação de projetos como esses trouxeram uma melhora efetiva à qualidade do ar na capital francesa, avalia a Airparif. O organismo, que controla a poluição atmosférica em Paris, divulgou em março um estudo que apontou para a diminuição de 25% da poluição nas áreas que foram fechadas para a circulação de carros nas margens do rio Sena desde o ano passado. 

O problema é que, depois da criação desses espaços para pedestres, o ar teve uma piora de 5 a 10% em outras regiões onde a circulação de carros aumentou. "Claro, a criação dessas zonas sem veículos tem um impacto positivo, como mostrou nosso estudo. Mas, nessas áreas onde o ar piorou, há ainda trabalho a fazer", diz Amélie Fritz, porta-voz da Airparif.

Ela lembra, no entanto, que apenas a criação de espaços verdes não resolve definitivamente o problema da poluição de Paris. Para a Airparif, é essencial continuar implementando as tradicionais medidas para a melhora da qualidade do ar, além de dar seguimento a campanhas de conscientização e educação da população.


Sobre o mesmo assunto

  • Paris/Sena

    Paris ganha parque urbano às margens do Sena

    Saiba mais

  • Selo antipoluição é obrigatório no parabrisa de quem guiar em Paris

    Saiba mais

  • França

    Como Paris enfrenta o pior pico de poluição dos últimos dez anos

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Redução do tráfego em Paris: “Quanto mais ciclistas, melhor para os carros”

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.