Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Onze candidatos disputarão a eleição presidencial francesa

media Le Pen, Fillon, Macron, Hamon, Mélenchon e Dupont-Aignan AFP

O primeiro turno da eleição presidencial francesa, em 23 de abril, terá onze candidatos na disputa, anunciou neste sábado (18) o Conselho Constitucional, instituição que supervisiona a constitucionalidade das leis e a legalidade das eleições e dos referendos.

Eles conseguiram as 500 assinaturas mínimas de representantes franceses (deputados, senadores e prefeitos) necessárias para se lançar oficialmente na corrida presidencial.

Entre os onze candidatos, os favoritos nas pesquisas são o conservador François Fillon, o socialista Benoît Hamon, o centrista Emmanuel Macron, a líder da extrema direita, Marine Le Pen, e Jean-Luc Mélenchon, da extrema-esquerda. Esses cinco candidatos participarão na segunda-feira (20) de um debate na televisão.

Três pequenos candidatos, os nacionalistas Nicolas Dupont-Aignan e François Asselineau e a trotskista Nathalie Arthaud, também concorrem.

Outros três candidatos conseguiram reunir as assinaturas pouco antes do fim do prazo, na noite de sexta-feira (17). São eles o independente Jacques Cheminade, um veterano da política que já foi candidato em 1995 e em 2012 com resultados simbólicos, Jean Lassalle, deputado centrista, e Philippe Poutou, do Novo Partido Anticapitalista (NPA, da extrema-esquerda).

Os processos dos onze candidatos - eram dez em 2012 - foram validados pelo Conselho Constitucional. Mais de 14.500 representantes do total de 42 mil apadrinharam os candidatos.

Campanha atípica

Fillon, abalado pelo caso dos supostos empregos fictícios de parentes, recebeu 3.635 assinaturas, graças ao apoio do Os Republicanos, o partido do qual é o candidato.

O ex-ministro da Educação de François Hollande, Hamon, obteve 2.039 apoios, enquanto o ex-ministro da Economia do atual presidente, Macron, reuniu 1.829 assinaturas.

A um mês do primeiro turno, Marine Le Pen e Emmanuel Macron estão à frente nas pesquisas, mas a incerteza sobre o resultado da disputa segue intacta. Grande parte do eleitorado ainda não decidiu seu voto.

Os três candidatos com maiores intenções de voto no primeiro turno, Le Pen, Macron e Fillon, estão envolvidos ou afetados por casos judiciais, um fato inédito na história das eleições presidenciais francesas.

Marine Le Pen é alvo de uma investigação por supostos empregos fictícios e financiamento ilegal de uma campanha eleitoral. Macron, por sua vez, está na órbita de uma investigação aberta por uma viagem ministerial organizada em janeiro de 2016.

Pela primeira vez, a lista dos "padrinhos" dos candidatos, os que apoiaram com sua assinatura as candidaturas, será publicada, o que incomoda os "pequenos" candidatos, que denunciam a pressão exercida pelos grandes partidos nos prefeitos das pequenas comunidades rurais para que não apoiem os candidatos com menos chances.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.