Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Fillon: ternos de luxo oferecidos por amigo contradizem discurso de austeridade

media Capa dos jornais franceses Les Echos e Le Figaro desta segunda-feira 13 de março.

François Fillon, o candidato da direita conservadora à eleição presidencial francesa, volta às manchetes nesta segunda-feira (13). Em entrevista ao jornal Les Echos, ele detalha seu programa fiscal e tenta se manter vivo na campanha, embora apareça eliminado no primeiro turno, segundo diferentes pesquisas.

O que causa mais impacto, porém, é a repercussão de uma revelação do Journal du Dimanche (JDD) deste domingo (12): os ternos de luxo usados pelo candidato são pagos por um amigo generoso, que já quitou a "módica" soma de € 48.500, cerca de R$ 162.000, em despesas de alfaiataria nos últimos quatro anos.

Fillon afirma que não há mal nenhum em ser presenteado por um amigo, mas ele parece ignorar, como assinala a imprensa, que todo presente cujo valor ultrapassa € 150, ou seja, R$ 500, deve ser declarado à comissão que zela pela transparência da vida pública.

A notificação foi criada para evitar crimes de corrupção e tráfico de influência. Se a denúncia do JDD não for bem explicada, Fillon pode estar envolvido em mais uma infração. O efeito também pode ser devastador para a imagem do candidato, que defende receitas amargas para os franceses e vive cercado de luxo.

Vendo a nova polêmica inflar, Fillon se declarou "vítima de perseguição" e atacou os "jornalistas que fuçam [seu] lixo". "Hoje sou alvo de tal número de ataques que só posso considerar uma forma de perseguição", declarou à emissora de rádio Europe 1. "O que explica que jornalistas fucem meu lixo para tomar conta de meus ternos, amanhã de minhas camisas e, por que não, de minhas cuecas?", indagou o ex-primeiro-ministro.

Programa fiscal penaliza assalariados

Na entrevista ao Les Echos, Fillon confirma que, se eleito, irá aplicar um "programa de choque" de competitividade para relançar a economia e fortalecer o poder de compra dos franceses. O plano, orçado em € 50 bilhões, será financiado por cortes nas despesas públicas e pela alta de 2 pontos em uma das alíquotas da taxa TVA, o imposto do valor agregado, cobrado na França na venda de produtos e serviços. Inicialmente, Fillon previa aumentar a TVA indistintamente, mas a medida considerada injusta socialmente vai poupar o setor da construção civil, assim como contas de bares e restaurantes.

O candidato conservador também defende uma reforma drástica da legislação trabalhista, com o fim das 35 horas de trabalho semanais, um teto para as indenizações trabalhistas e a passagem da idade mínima legal da aposentadoria dos atuais 62 para 65 anos.

No início da campanha, o ex-premiê apresentou um programa de austeridade que chocou setores da sociedade pela redução na proteção social dos franceses. Com o escândalo dos supostos empregos fictícios de sua mulher e de dois filhos, além de suspeita de enriquecimento ilícito, ele suavizou suas propostas. Fillon reiterou nesta segunda-feira que irá se manter na campanha mesmo se vier a ser indiciado na justiça, em uma audiência programada na próxima quarta-feira.

Le Figaro lembra que ele tem seis semanas para convencer os eleitores.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.