Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Alheio às críticas, Robert Mugabe diz que permanece na presidência do Zimbábue
França

Paris impõe uso obrigatório do francês nos canteiros de obras da capital

media Operários da construção civil em Gif-sur-Yvette, na região parisiense. CC/Lionel Allorge

A região francesa de Île-de-France aprovou uma nova lei para favorecer o acesso das micro, pequenas e médias empresas aos contratos públicos. A nova legislação condiciona esse acesso, no entanto, a uma cláusula chamada de "Molière", que impõe o uso do francês como língua oficial nos canteiros de obras públicas. A nova lei foi contestada pelo partido de centro francês, o Modem, e por todos os representantes da esquerda francesa.

A cláusula Molière, que impõe o uso obrigatório do francês em obras públicas de Paris e de várias cidades vizinhas da capital, destina-se a lutar contra as regras da União Europeia sobre trabalhadores autônomos. A imposição do francês já foi realizada, na França, por vários outros conselhos regionais, como a Normandia, a região de Hauts-de-France e Auvergne-Rhône-Alpes. A cláusula é válida em obras administradas pelas regiões.

"Assumimos esta decisão. Trata-se de um pré-requisito obrigatório para a segurança dos trabalhadores em canteiros de obras", assegurou a presidente da região parisiense (Île-de-France), Valérie Pécresse (Os Republicanos). Os setores que podem ser afetados por esta cláusula são os de obras públicas, transportes, formação profissional e consultoria.

O vice-presidente da região parisiense, Jérôme Chartier, encarregado pela economia, reconheceu que esta era uma "vontade política". "Esta cláusula é necessária e destina-se a empresas estrangeiras que vêm com suas equipes, sem que ninguém fale francês. As empresas devem se atualizar e a troca em setores públicos, por exemplo, deve ser feita em francês”, afirmou.

O partido centrista francês (Modem), no entanto, introduziu uma emenda para eliminar a cláusula Molière da resolução, afirmando que o alvo não são os trabalhadores autônomos, mas os trabalhadores estrangeiros vindos a partir da imigração legal, incluindo os refugiados, para quem o trabalho é um vetor de integração e aprendizagem da língua francesa.

O Partido Ecologista denunciou uma medida duvidosa a apenas "algumas semanas antes da eleição presidencial" e o Partido Socialista (PS) fez menção um "problema legal que não pode ser resolvido de uma hora para outra". Para a Frente de Esquerda, trata-se de uma cláusula "abusiva e discriminatória, que visa excluir as empresas que possuem trabalhadores estrangeiros" e "uma tentativa de impor a preferência nacional".

O partido de extrema-direita Frente Nacional (FN) apoiou a cláusula Molière.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.