Ouvir Baixar Podcast
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/05 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França lança campanha contra mutilação genital feminina

media Campanha contra a mutilação genital feminina é lançada na França. @excisionparlons

França lança campanha contra mutilação genital femininaTrês em cada dez adolescentes que vivem na França sofrem a ameaça de serem vítimas de mutilação genital feminina, segundo a ONG Excision, parlons-en! (“Vamos falar sobre a excisão!”), que lancou nesta sexta-feira (3), uma campanha nacional de prevenção e conscientização. O público-alvo são jovens entre 12 e 18 anos.

“Todo ano, durante as férias de verão na Europa, milhares de adolescentes voltam ao país de origem de seus pais, onde correm o risco de sofrer uma mutilação sexual feminina”, explicou Moira Sauvage, presidente da associação, fundada em 2013.

Até o dia 30 de junho, a ONG divulga a campanha “Alerta excisão”, com um vídeo publicado nas redes sociais e cartazes com a frase “Você vai sair de férias?”. Além disso, a associação preparou um site, www.alerte-excision.org, para explicar às jovens o que é essa mutilação, as consequências e os países onde isso se pratica, além de fornecer contatos de grupos de ajuda na França e na Bélgica.

Jovens dão testemunhos dilacerantes

A jovem identificada pelo pseudônimo Florine, fala sobre suas férias, quando tinha apenas 12 anos, em Guiné-Conakry, quando sofreu a excisão com sua irmã e primas na casa da avó. “Íamos descobrir o sol, o mar e a praia – mas as férias se transformaram em pesadelo”, relata.

“Uma mulher nos segurou pelas pernas, outra nos esmagava o peito para evitar nossos gritos e uma terceira nos cortava a sangue frio. Nunca me esquecerei dos gritos, principalmente de minha irmã, que depois disso virou deficiente mental”, testemunhou Florine à ONG.

Marie, enviada pela família para passar as férias com a avó no Senegal, diz a lembrança mais dolorosa é do período pós-mutilação. Ela diz que uma mistura de manteiga de karité com cinzas era passada na ferida e que urinava em um balde para atenuar as dores.

Mais de 125 milhões de vítimas

Para Moira Sauvage, há cerca de 60 mil mulheres vítimas da excisão vivendo em território francês. “Pensa-se que na França estamos imunes a isso, mas há mulheres mutiladas entre nossas vizinhas, amiguinhas de nossos filhos, nossas colegas”, acrescenta.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimava em 2014 mais de 125 milhões de vítimas da excisão, praticada em 29 países da África, Ásia e Oriente Médio. Segundo a Unicef, 30 milhões de adolescentes podem sofrer mutilação genital nos próximos dez anos.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.