Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Encontro entre mãe e filha é tema de peça de Maria de Medeiros em Paris

Encontro entre mãe e filha é tema de peça de Maria de Medeiros em Paris
 
A atriz portuguesa Maria de Medeiros estreia novo espetáculo em Paris e foi entrevistada pelo RFI Convida. RFI/Vincent Bitou

Ela ficou mundialmente conhecida por filmes como Henry & June e Pulp Fiction, mas sua presença no mundo das artes se revela muito mais polifônica e transversal, seja como atriz, diretora ou cantora. Fluente em vários idiomas, com passagens importantes pelo cinema, teatro, televisão e pela música, ela possui uma relação especial com o Brasil. O RFI convida hoje com a atriz portuguesa Maria de Medeiros, que prepara a estreia de um novo espetáculo em Paris.

Un amour impossible (Um amor impossível, em português) é o nome da peça que a atriz portuguesa Maria de Medeiros estreia no dia 25 de fevereiro no Teatro Odéon, em Paris. O espetáculo é repleto de figuras femininas fortes: além de Maria de Medeiros, fazem parte do time a atriz Bulle Ogier, ícone do cinema e do teatro francês, a diretora Célie Pauthe, que se afirma como um dos grandes nomes do teatro europeu, e a premiada autora francesa Christine Angot.

O tema da peça – o encontro/embate entre mães e filhas – também é feminino, e não é a primeira vez que a atriz o aborda: esta também foi a temática da peça Aos Nossos Filhos, de Laura Castro, e no documentário Repare Bem, dirigido por Medeiros. “Sou mãe de duas filhas, mas juro que não fiz de propósito”, diverte-se a atriz. 

“A peça fala de uma relação intensíssima entre mãe e filha, escrita pela Christine Angot, que é uma das autoras mais importantes da literatura francesa neste momento. Sua obra trata em grande parte do abuso sofrido pelo pai, e em Um Amour Impossible ela trata esta questão por meio da perspectiva do amor entre mãe e filha, ou seja, como se sobrevive a um trauma tão terrível?”, explica.

Maria de Medeiros também se prepara para começar a filmar Aos nossos filhos, uma adaptação para o cinema da peça homônima, da brasileira Laura Castro, com a qual ela ficou em cartaz durante três anos no Brasil. “Já devemos estar na 10ª versão do roteiro”, brinca a atriz. “Estamos prestes a filmar, talvez a gente filme este ano, mas desta vez eu não farei o papel da mãe, porque ainda não tenho a idade que o papel exige para o cinema. No teatro dá para a gente brincar com a idade”, afirma Maria de Medeiros.

“Na peça Um Amour Impossible faço a personagem dos oito aos 50 anos, isso só é possível no teatro. Fico feliz de que (na adaptação para o cinema de Aos Nossos Filhos) o papel da mãe seja vivido pela atriz Marieta Severo”, finaliza Maria de Medeiros.

Confira a íntegra da entrevista de Maria de Medeiros ao RFI Convida:


Sobre o mesmo assunto

  • Teatro

    Estreia de Christiane Jatahy, primeira brasileira na Comédie-Française, divide a crítica

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Tróilo e Créssida" contribui para reflexão sobre corrupção no Brasil, diz Maria Fernanda Cândido

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Entre alucinação e memória”, diretor brasileiro estreia monólogo de Nelson Rodrigues na França

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Ser brasileiro não é só escutar samba e ver futebol”, diz coreógrafo baseado na Suíça

    Saiba mais

  • Roberto Bolaño/teatro

    Livro "2666", do chileno Roberto Bolaño, vira peça de 12 horas em Paris

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.