Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/05 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/05 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/05 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/05 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/05 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/05 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/05 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Paris promete ingressos a € 15 nas Olimpíadas de 2024

Paris promete ingressos a € 15 nas Olimpíadas de 2024
 
A apresentação oficial da campanha internacional de Paris para sediar os Jogos Olímpicos foi lançada na última sexta-feira (3). REUTERS/Benoit Tessier

Caso a capital francesa seja escolhida como a sede dos Jogos Olímpicos de 2024, a prefeitura de Paris promete oferecer muitos ingressos a €15 euros (R$ 50), preços considerados acessíveis e atraentes segundo o padrão local.

“Colocaremos os ingressos a € 15 para que seja uma grande festa popular e para que cada um possa vir com sua família”, garantiu a prefeita Anne Hidalgo, em entrevista à RFI Brasil.

A declaração foi feita na sexta-feira (3), após a apresentação oficial da campanha internacional de Paris para sediar os Jogos. O evento foi no Museu do Homem, na esplanada que oferece uma vista panorâmica da torre Eiffel. Neste, que é o monumento mais famoso da França, foi revelado por meio de uma projeção luminosa, o slogan escolhido para impulsionar a candidatura: “Made for Sharing”.

Os próprios representantes do comitê de candidatura tiveram dificuldade de traduzir a expressão para a língua francesa. “O sentido é o de compartilhar”, se contentou a dizer um dos membros do comitê quando questionado por jornalistas. Mas o objetivo do uso do inglês no slogan e também durante a apresentação oficial da campanha é claro, segundo um dos porta-vozes de peso da candidatura, o bi-campeão olímpico e oito vezes campeão mundial de judô, Teddy Rinner.

“Nós refletimos sobre esse slogan e ele é muito bom. É importante ser em inglês. O que queremos é ter os Jogos em casa e, para isso, é preciso falar ao mundo inteiro. É preciso ter consciência que 80% das pessoas que fazem parte do Comitê Olímpico, que vão se deslocar para ver os locais dos Jogos, avaliar as candidaturas, falam inglês. Precisamos que eles nos ouçam. Esse é o mote principal”, observou.

Trunfo com infraestrutura e desafios com terrorismo

Um vídeo com um resumo da candidatura destacou os maiores trunfos da candidatura: cerca de 95% das infraestruturas para as Olimpíadas já estão construídas e os principais locais de competições e de instalações para atletas vão ficar restritos a um perímetro urbano de 10 km entre Paris e o norte da cidade, onde deverá ser construída a Cidade Olímpica, um das duas obras que faltam para o evento, além de um centro náutico com uma piscina olímpica.

A rede de transporte urbana, com ônibus e metrô, facilitando a mobilidade urbana dos participantes, também é apontada como um ponto forte da candidatura.

Mas, horas antes do lançamento da campanha internacional, um ataque terrorista cometido contra um militar no Carrossel do Louvre, centro comercial no subsolo do prédio onde fica o museu mais famoso da Franca, deixou evidente um dos maiores desafios de Paris: garantir a segurança dos participantes do maior evento esportivo do mundo.

Único a se expressar em francês durante o evento, o primeiro-ministro Bernard Cazeneuve, lembrou que a França organizou com sucesso mais de 30 eventos internacionais, como a Eurocopa de 2016 e a COP 21. Segundo ele, o país adquiriu muita experiência com os diversos atentados e não é apenas o único alvo do terrorismo.

“O risco de terrorismo está em todos os lugares do mundo. Outros países foram atingidos, como os Estados Unidos. E como nós mesmos fomos alvos nos últimos tempos, não cansamos de adaptar nosso dispositivo de segurança para garantir a segurança de grandes eventos, de grandes dimensões que reúnem no território francês participantes de vários paises”, declarou fazendo também referência direta ao atentado no Carrousel do Louvre.

“O que aconteceu na manhã de hoje [sexta-feira 03/02], demonstrou a capacidade extremamente rápida de nossas forças para reagir. Foi a demonstração de todos que, diariamente, participam da luta contra o terrorismo. Posso garantir a vocês que em 2024, como já é o caso hoje, um alto nível de mobilização vai garantir a segurança máxima que os participantes do evento têm o direito de exigir”, concluiu.

Orçamento de € 6,9 bilhões

A presença do primeiro-ministro Cazeneuve reforçou também o discurso de que todas as esferas de poder estão implicadas na organização de um evento que teve um orçamento fixado em cerca de € 6,9 bilhões.

Segundo o comitê executivo da candidatura de Paris, o orçamento é composto de duas partes: uma para organização dos Jogos, que é estimada em €3,6 bilhões. Esse valor é totalmente financiado pela iniciativa privada. O Comitê Olímpico Internacional (COI) contribui com cerca de € 1,5 bilhão, mais a bilheteria e os direitos de marketing, ou seja, os parceiros privados financiam totalmente a organização dos Jogos.

A segunda parte do orçamento global é de investimentos de longo prazo. Nesse montante, avaliado em mais de € 3 bilhões, está prevista a construção da Cidade Olímpica, que vai restituir o investimento ao governo sob a forma de 5 mil alojamentos em Saint-Denis, ao norte de Paris, e também outros 1,6 mil que serão usados para acolher representantes da mídia.

Neste valor está incluído também construção de um centro aquático, que será financiado com dinheiro público. Os investimentos não irão arruinar os cofres do governo, garante a prefeita Anne Hidalgo:

“O que me chamou atenção foi o COI ter valorizado a nova agenda, que diz que os Jogos devem ser mais ecológicos e não para construir obras que depois não servirão para nada, e que não sejam Jogos muito caros”, afirmou.

Paris organizou Olímpiadas de 1924

Além de garantias financeiras, da paixão dos franceses pelo esporte e da vontade acolher o evento, Paris conta com o simbolismo de uma escolha que poder marcar a volta das Olimpíadas da era Moderna, 100 anos depois de ter sido realizada pela segunda vez, em 1924.

Convencidos de que têm um bom dossiê para vencer as outras duas concorrentes no páreo, Los Angeles e Budapeste, os franceses se mostram prudentes, depois da frustração da derrota para Londres para organizar os Jogos de 2012. Para Tony Estanguet, co-presidente da candidatura Paris 2024, a vitória não está longe.

“Acho que temos nove sobre 10 chances em relação à nossa candidatura. Por que digo nove? Acho que nunca estivemos tão fortes para vencer. Nós aprendemos muito com as candidaturas anteriores. Temos um conceito que é muito bom e que corresponde a uma expectativa da família olímpica, que é o sentido de compartilhar. Essa noção está no centro de nossa candidatura. Ainda nos restam alguns meses para progredirmos e sermos ainda mais fortes”, declarou.

O COI definirá a cidade sede das Olimpíadas de 2024 no dia 13 de setembro, durante sua convenção em Lima, no Peru.


Sobre o mesmo assunto

  • Esportes/França

    Campanha de Paris para Jogos 2024 foca em segurança

    Saiba mais

  • Esporte

    Olimpíadas 2024: COI fica “impressionado” com projeto de Paris

    Saiba mais

  • Jogos Olímpicos

    Paris, Budapeste e Los Angeles apresentam propostas para sediar os JO 2024

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.