Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Após renúncia de Polanski, cerimônia do César não terá presidente

media Polanski foi julgado nos anos 1970 pelo estupro de uma adolescente de 13 anos nos Estados Unidos. REUTERS/Kacper Pempel/File Photo

A 42ª cerimônia do César, o prêmio mais importante do cinema francês, prevista para 24 de fevereiro, não terá presidente. O anúncio foi feito pela organização do evento neste sábado (4). A decisão foi tomada depois que o diretor franco-polonês Roman Polanski, acusado de estuprar uma menor de idade nos anos 1970, decidiu renunciar à função devido à pressão de associações feministas.

"O conselho da Academia do César decidiu que não haverá presidente na cerimônia", declarou o presidente da Academia, Alain Terzian, em um almoço com os 177 indicados aos prêmios. "Não propusemos [a função] a outra pessoa por razões que vocês já conhecem. Assumimos também o tumulto que vocês presenciaram", reiterou Terzian, em relação à polêmica nomeação de Polanski.

O cineasta franco-polonês foi anunciado como presidente da 42ª cerimônia do César no dia 18 de janeiro. A decisão revoltou organizações feministas francesas, que criaram uma petição contra o diretot nas redes sociais. O documento reuniu milhares de assinaturas e conseguiu pressionar a renúncia de Polanski, no dia 24 de janeiro.

"A escolha de Roman Polanski é uma zombaria indigna a várias vítimas de estupro e de agressões sexuais", afirmou a Ong feminista francesa Osez le Féminisme. Já a ministra francesa dos Direitos das Mulheres, Laurence Rossignol, qualificou a escolha do cineasta de "surpreendente e chocante".

Relação sexual consentida

A justiça americana acusa o cineasta de ter estuprado de uma adolescente de 13 anos nos anos 1970. Polanski, de 83 anos, sempre alegou que a relação sexual com a menina foi consentida.

Ele fugiu para a França antes do anúncio de sua pena e nunca pagou pelo crime. A justiça americana fez vários pedidos, sem sucesso, que Paris o extraditasse. O cineasta obteve a nacionalidade francesa e vive no país com sua esposa, a atriz Emmanuelle Seigner.

Para o diretor dos longas "Repulsa ao sexo", "O pianista", "O bebê de Rosemary" e "Chinatown", a polêmica da presidência do César é "injustificada" e "alimentada por informação errônea". Seu advogado, Hervé Témime, declarou que o caso "entristeceu profundamente Roman Polanski e afetou sua família".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.