Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Suspense marca 1º turno das primárias socialistas na França

media Os sete candidatos às primárias socialistas durante debate realizado em 15 de janeiro de 2017. REUTERS/Bertrand Guay/Pool

Grande suspense no 1º turno das primárias socialistas, realizado neste domingo (22), na França. Sete pré-candidatos às presidenciais francesas participam da votação e três são apontados como favoritos. A participação, voluntária e aberta a todos os eleitores franceses, também é uma incógnita. As sete mil seções eleitorais em todo o país abriram suas portas às 9h da manhã, pelo horário local (6H em Brasília) e a votação acontece até às 19h.

As primárias "belle alliance populaire" (bela aliança popular, em português) são organizadas pelo Partido Socialista (PS), mas contam com a participação de candidatos de mais três partidos de esquerda. Os quatro representantes do PS são ex-primeiro-ministro Manuel Valls e os ex-ministros Arnaud Montebourg, Benoît Hamon e Vincent Peillon. O ecologista François de Rugy, o centrista Jean-Luc Bennahmias, e a presidente do Partido Radical de Esquerda, Sylvia Pinel, completam a lista.

O resultado desse primeiro turno é considerado imprevisível. Valls, Montebourg e Hamon são apontados como favoritos pelas pesquisas. Somente os dois primeiros colocados neste domingo participam do segundo turno, no dia 29 de janeiro, que vai eleger o candidato da esquerda à eleição presidencial francesa de abril e maio de 2017.

Participação é um desafio

Os resultados do primeiro turno das primárias socialistas são esperados no início da noite deste domingo. Os organizadores esperam uma grande participação, de ao menos um 1,5 milhão de votantes, para dar peso e legitimidade ao candidato da esquerda.

O presidente do Comitê Nacional de Organização da Primária, Christophe Borgel, tem esperanças de atrair mais de 2 milhões de eleitores, um número muito inferior aos 4,4 milhões que participaram das primárias da direita, em novembro. A três meses da presidencial as pesquisas indicam que independentemente do nome, o candidato socialista não avançaria ao segundo turno da votação, que seria disputado pelo conservador François Fillon e por Marine Le Pen, da extrema-direita.

Segundo uma pesquisa divulgada neste domingo pelo Journal du Dimanche, apenas 28% dos franceses consideram que ex-premiê Manuel Valls tem capacidade para derrotar François Fillon, do Partidos Os Republicanos, ou Marine Le Pen, da Frente Nacional. Arnaud Montenbourg vem em segundo lugar, com apenas 15%.

Mas antes da batalha pela presidencial, o vencedor das primárias socialistas terá a difícil missão de ganhar o apoio de seus adversários e
unir a esquerda. As candidaturas independentes do ex-ministro da Economia, Emmanuel Macron, e de Jean-Luc Mélenchon, da extrema-esquerda, ganham popularidade e preocupam o PS.

Hollande não participa da votação

O presidente francês não vota nesse primeiro turno das primárias de seu partido. François Hollande, que desistiu de disputar um segundo mandato, visita pela última vez como presidente a América Latina. A viagem, que visa reforçar os laços da França com o sub-continente, começou no sábado (21) pelo Chile.

Em Santiago, Hollande evitou as críticas sobre seu giro internacional nesse momento. Ele não quis fazer comentários sobre o primeiro turno das primárias do PS, mas garantiu que "se interessa pela vida política francesa". No final deste domingo, após visitar uma usina de energia solar do grupo francês EDF no deserto de Atacama, o presidente francês seguirá para a Colômbia, última etapa da viagem.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.