Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Cerca de 2 mil pessoas protestam contra Trump em Paris

media Paris adere aos protestos contra Trump. © Reuters

Pelo menos duas mil pessoas, entre elas muitas mulheres, além de norte-americanas e norte-americanos, se reuniram no sábado (21), na Esplanada do Trocadero, em Paris, para protestar contra o novo presidente dos EUA, Donald Trump, e pelos direitos das mulheres.

Manifestantes responderam a apelos de organizações feministas, mas também de ONGs de defesa dos direitos humanos e LGBT. Do Trocadero, o protesto seguiu para o Muro pela Paz, instalado no Campo de Marte, perto da Torre Eiffel.

Os slogans dos participantes incluíam frases e palavras como “Os direitos humanos são também dos das mulheres”, “respeito”, “liberdade, igualdade e sororidade” [ao invés da tradicional “fraternidade”] e “capitalismo, sexismo, assassinos”.

Inicialmente lançada em Washington por críticos do novo presidente, a “marcha das mulheres”, se espalhou por várias cidades americanas – como Nova York, Boston, Los Angeles e Seattle – e muitas capitais mundiais: Londres, Sydney, Budapeste, Genebra, Berlim etc.

Ameaça da extrema-direita na França

“Estou aqui pelas mulheres e por todas as minorias, pois Trump é uma ameaça para a humanidade”, explicou a americana Kendra Wergin. Uma brasileira, Andreia Rossi, também foi entrevistada e disse à AFP que veio à manifestação “por ser mulher, mas também para protestar contra tudo o que Trump representa, contra o fascismo e a extrema-direita”. “É muito perigoso, ele mentiu a todos os que o elegeram e o mesmo pode acontecer na França”, ela acrescentou.

Já o francês Guillaume Samson, 42 anos, veio com a família e amigos. Ele veio para “defender os direitos das mulheres e os direitos humanos, que no momento estão ameaçados”. Os protestos pelas mulheres e contra Trump também aconteceram em grandes cidades francesas, como Lyon e Marselha.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.