Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Hollande admite que França errou ao internar ciganos na 2ª Guerra

media François Hollande cumprimenta um dos sobreviventes do campo de Meutreuil-Bellay, em cerimônia de homenagem nacional aos ciganos perseguidos na Segunda Guerra. JEAN-SEBASTIEN EVRARD / AFP

O presidente francês, François Hollande, deu neste sábado (29) mais um passo rumo a um objetivo que tem marcado o seu governo: o reconhecimento das falhas da França na História. Em uma visita a um antigo campo de concentração em Montreuil-Bellay, no oeste do país, Hollande admitiu a responsabilidade do governo francês na internação de milhares de ciganos durante a Segunda Guerra Mundial, sob o regime de Vichy.

Essa foi a primeira vez que um presidente francês visitou o local, classificado Monumento Histórico desde 2012. “A República reconhece o sofrimento dos povos nômades que foram internados e admite que a sua responsabilidade é grande neste drama”, afirmou o socialista. “Um país é sempre maior quando reconhece a sua história”, declarou.

Em seis anos de funcionamento, cerca de 100 ciganos morreram no local. A cerimônia de homenagem contou com a presença de 500 convidados, entre eles centenas de sobreviventes do período em que a França foi governada por um colaborador do regime nazista, o marechal Philippe Pétain, de 1940 a 1946.

Demora em admitir falhas

Quase setenta anos depois das últimas libertações de ciganos dos campos, os descendentes e associações esperavam há décadas pelo reconhecimento oficial do sofrimento que foi infringido à comunidade nômade. Hollande lembrou que “praticamente todas as famílias” de ciganos da França tiveram pelo menos um parente mantido no campo de concentração.

“Este momento era muito importante para a gente. Milhares e milhares de famílias itinerantes foram atingidas”, disse, emocionado, o presidente da associação France Liberté Voyage, Fernand Delage. “É tarde, mas antes tarde do que nunca.”

No antigo hospital, foi inaugurada uma obra de arte para recordar o passado sombrio – “Instant nomade”, da artista-ceramista Armelle Benoît, tem gravados os nomes das 473 famílias que passaram pelo campo de Montreuil-Bellay. Pelo menos 6 mil ciganos estiveram no local em condições insalubres e de desleixo, inclusive alimentar, durante a Segunda Guerra Mundial.

Lucien Violet, 69 anos, foi à cerimônia em nome da lembrança dos pais, que foram internados durante a guerra. “As nossas famílias sofreram muito e não esqueceremos jamais, por mais que tenhamos perdoado”, disse.

Com informações da AFP
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.