Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/01 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/01 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Dona de hotel de luxo é sequestrada no centro de Nice

media Jardim do Grand Hotel durante o 61º Festival Internacional de Cinema de Cannes em 20 de maio de 2008 FRED DUFOUR / AFP

A polícia francesa ainda não tem pistas de Jacqueline Veyrac, dona do Grand Hôtel de Cannes, sequestrada nesta segunda-feira (24) em Nice, perto de sua casa. Há três anos, ela já havia sido vítima de outra tentativa de sequestro que não foi elucidada pela polícia.

A viúva de 76 anos e seu filho gerenciam o hotel cinco estrelas perto da famosa Croisette e do palácio dos Festivais, onde acontece o Festival de Cinema de Cannes. Os dois também são proprietários de um restaurante de alta gastronomia, La Réserve. Ironicamente, o sequestro, como descrevem as testemunhas ouvidas pela polícia e o procurador de Nice, aconteceu "como em um filme".

A francesa estava em seu carro, em uma rua movimentada da cidade, quando um grupo de indivíduos apareceu e a obrigou a descer do veículo, a puxando pelo braço e cobrindo seu rosto. Em seguida, Jacqueline Veyrac foi obrigada a entrar em outro carro, que desapareceu nas ruas de Nice.

O Grand Hôtel de Cannes é um dos cinco mais importantes da cidade, com vista privilegiada que para o mar e a Croisette, frequentado por várias celebridades. Segundo o presidente do sindicato da rede hoteleira de Cannes, Michel Chevillon, a viúva não tinha uma participação direta nos negócios do hotel.

“Ela sempre soube receber sem ser mundana, passando uma imagem muito positiva dela e da família. É uma mulher jovem, dinâmica, jovem de espírito, gentil e simpática”, resumiu.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.