Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França homenageia as 239 vítimas de atentados desde 2015

media Franceses prestaram uma homenagem nesta segunda-feira (19) às vítimas dos atentados do país. REUTERS/Michel Euler/Poo

Em um período de forte ameaça terrorista, a França homenageou nesta segunda-feira (19) todas as vítimas do terrorismo do país, em uma iniciativa organizada por associações há 18 anos. A cerimônia foi realizada nesta manhã nos jardins do Palácio dos Inválidos, na capital francesa, na presença do presidente François Hollande, membros do governo e da oposição.

Todos os sobreviventes de atentados, além de famílias e próximos de vítimas foram convidados. A data não foi escolhida por acaso: no dia 19 de setembro de 1989, um avião francês da companhia UTA explodia ao sobrevoar o Níger, matando 170 pessoas, entre elas, 54 franceses. O ataque foi atribuído a terroristas da Líbia.

Sob uma fina chuva, a cerimônia começou nesta manhã com o depoimento de familiares das vítimas dos recentes atentados, como os de 13 de novembro, em Paris e o de 14 de julho, em Nice.

A francesa Yasmine Bouzergan-Marzouk, de 21 anos, que perdeu três membros de sua família no ataque de Nice, realizou um emocionado discurso, descrevendo “o cenário de guerra” que viveu na ocasião. De confissão muçulmana, a jovem denunciou o preconceito daqueles que confundem sua religião “com aquela dos bárbaros”.

Líderes de associações como a Federação Nacional das Vítimas de Atentados e Acidentes Coletivos (Fenvac) e a Associação Francesa das Vítimas do Terrorismo (AFVT) também discursaram, dirigindo-se especialmente à classe política francesa.

Em seguida, os nomes de 239 pessoas vítimas de ataques terroristas de novembro de 2015 à julho de 2016 foram lidos. Para cada uma delas, uma rosa branca foi colocada aos pés do monumento construído nos Inválidos em homenagens aos mortos por terroristas.

Reforço da luta contra o terrorismo

Em seu discurso, François Hollande apontou a necessidade de engajar meios suplementares para a luta contra o terrorismo. O chefe de Estado também anunciou o aumento dos fundos de indenização de vítimas. "Devemos dar continuidade às ações às quais nos engajamos. Falo, claro, de todos os meios para prevenir os atentados, para dissuadi-los, impedi-los. É um trabalho constante que trará outros meios suplementares para reforçar esses que anuncio hoje", disse.

Respondendo às críticas da oposição, em particular ao atentado de 14 de julho em Nice, o presidente francês disse que trabalha dentro da maior "transparência". "Há primeiro a verdade e a transparência que devem ser investigadas, sobre cada ataque, cada atentado, cada agressão." Segundo Hollande, é "dever do Estado responder a todas as questões sobre cada atentado". "Uma vez que o pior aconteceu, o país deve ser exemplar em suas respostas, seus procedimentos e reações", declarou, no Palácio dos Inválidos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.