Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Morre fotógrafo francês Marc Riboud

media Foto "La Fille à la Fleur", uma das mais famosas de Marc Riboud Reprodução

O fotógrafo francês Marc Riboud morreu na terça-feira (30) aos 93 anos. Ele clicou imagens mundialmente conhecidas, como La Fille à la Fleur (a moça com a flor), que mostra uma militante contra a guerra do Vietnã enfrentando as baionetas dos soldados.

Riboud gostava de capturar, em preto e branco, imagens de momentos cruciais em um mundo em mudança. Seu olhar era capaz de captar instantes de graça, e fotos como Le Peintre de la Tour Eiffel (o pintor da Torre Eiffel) viraram ícone no século 20.

"Não tenho nenhum mérito, a não ser ter subido a pé as escadas em caracol da torre", comentou em 2009.

Foto Pintor da Torre Eiffel Reprodução

Foi depois de vender o negativo dessa foto à revista norte-americana Life, em 1953, que ele se tornaria fotógrafo e conheceria Henri Cartier-Bresson e Robert Capa, que o convidaram a fazer parte da prestigiosa agência Magnum.

Até então, o jovem procedente de uma família burguesa de Lyon trabalhava como engenheiro. Porém Riboud começou a fotografar aos 14 anos, com uma câmera Vest Pocket preta, que havia sido utilizada por seu pai nas trincheiras da guerra.

"Não sou fotojornalista"

Em 60 anos de carreira, suas fotos foram publicadas em inúmeras revistas, como Life, Geo, National Geographic, Paris Match e Stern. "A maior parte do tempo passeio, eu passeio muito", comentou certa vez, explicando sua singularidade.

Coincidentemente, fotos de Cuba feitas por Riboud em 1963 são destaques no festival de fotojornalismo Visa pour l'Image, que acontece em Perpignan (sul da França). A série, retratando o dia-a-dia na ilha, tem um grande “furo”, como se diz no jargão jornalístico para uma notícia exclusiva. São imagens de um jovem Fidel Castro, que aparece no hotel onde estão Riboud e o jornalista Jean Daniel, da revista L’Express.

Daniel acabara de ser recebido em Washington pelo então presidente norte-americano John F. Kenneddy, que aproveitava para mandar recados para Castro através do jornalista. No dia seguinte ao encontro entre os franceses e o cubano, o presidente americano era assassinado.

Marc Riboud Divulgação

"Não sou um fotojornalista, tampouco um artista, sou fotógrafo, e isso é tudo. Não sou sempre bom, mas tento", insistia.

Riboud nasceu em 24 de junho de 1923, em uma família de 7 filhos. Era irmão de Antoine, futuro fundador e presidente da gigante do setor agroalimentício Danone, e de Jean, que presidiria a Schlumberger (empresa de serviços petroleiros).

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.