Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França ratifica acordo sobre o clima da COP 21

media O presidente François Hollande durante a conferência do meio ambiente em Paris REUTERS/Jacky Naegelen

O presidente francês, François Hollande, assinou nesta quarta-feira (16) um decreto que ratifica o acordo mundial sobre o clima, concluído no último dia 12 de dezembro, durante a conferência em Paris. O documento prevê uma redução drástica dos gases que provocam o efeito estufa.

“Assinar é bom, ratificar é melhor”, declarou o presidente francês. “A questão, agora, é fazer com que os 55 países que representam 55% das emissões de gases que provocam o efeito estufa ratifiquem também o documento”, declarou. O chefe de Estado francês também pediu uma mobilização dos europeus para que toda a Europa possa reconhecer o acordo de Paris “antes do final do ano”.

O texto foi definitivamente adotado pelo Parlamento francês no dia 8 de junho. A França foi o “primeiro país membro do G7 e do G20 a fechar a adoção desse tratado histórico”, ressaltou a ministra do Meio Ambiente e presidente da COP21, Ségolène Royal, que assumiu em fevereiro. Fora do círculo dos países industrializados, a Hungria foi o primeiro país europeu a ratificar o acordo.

Países têm próprios objetivos em acordo

Adotado por 195 países, o acordo visa controlar o aquecimento global, e evitar que o aumento da temperatura da terra não ultrapasse 1,5 graus centígrados, o que provocaria uma alta dos oceanos com consequências catastróficas. Cada país estabelecerá suas próprias metas, mas seu cumprimento não é obrigatório – uma exigência feita pelos EUA. Os objetivos serão revistos a cada cinco anos.

Outro ponto prevê um fundo de financiamento de US$ 100 bilhões, que serão transferidos dos países mais ricos para os mais pobres até 2025, para bancar projetos contra a poluição.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.