Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Craque francês Benzema escandaliza a França com acusação de racismo

media Karim Benzema comemora seu segundo título na Liga dos Campeões com o Real Madrid em 28 de maio de 2016. Reuters / Stefano Rellandini

Maior artilheiro em atividade da seleção francesa, com 27 gols em 81 jogos, o atacante Karim Benzema, do Real Madrid, provocou uma enorme polêmica nesta quarta-feira (1°) ao justificar sua ausência na Eurocopa por "pressões" que o técnico Didier Deschamps teria recebido "de uma parte racista da França".

À pergunta "você acha que Didier Deschamps é racista?", o jogador de 28 anos respondeu, em entrevista ao jornal espanhol Marca: "não, acho que não. Mas ele cedeu à pressão de uma parte racista do país", disparou o camisa 9, citando o partido de extrema-direita Frente Nacional, que vem ganhando cada vez mais força no país.

O impacto da entrevista acabou muito maior do que esperado, ganhando repercussão mundial. A justificativa dada pelo atacante pela não convocação à Eurocopa desencadeou uma enxurrada de reações de repúdio, inclusive do governo francês.

Força tranquila

Apesar da polêmica, Benzema fez questão de mostrar que não se sente abalado pelas críticas. No final da tarde, postou na sua conta do Instagram uma foto dele mesmo olhando para a tele do computador, com a legenda: "Força tranquila". Não se sabe se a frase teve inspiração política, mas o fato é que a mesma foi o slogan de campanha do ex-presidente de esquerda François Mitterand (1981-1995).

O ministro francês dos Esportes, Patrick Kanner, considerou as declarações "inaceitáveis". "Acho isso insuportável. Resumir sempre todos problemas do país a questões de raça, religiões, etnias e comunidades não é saudável", disse por sua vez o ex-primeiro ministro François Fillon, do partido de oposição Republicanos (direita), à Rádio RTL.

O número dois da Frente Nacional, Florian Philippot, preferiu dar seu recado ao jogador via Twitter. "O povo francês não merece suportar suas acusações indignas só porque você foge das suas responsabilidades", rebateu.

Racismo

Na verdade, a polêmica já tinha começado antes mesmo da entrevista bombástica de Benzema. Na última sexta-feira, o ex-craque francês Eric Cantona já tinha acusado Deschamps de racismo, em coluna publicada no jornal inglês The Guardian.

O ídolo do Manchester United, que é casado com a atriz Rachida Brakni, de pais argelinos, lamentou a não convocação de Benzema e de Hatem Ben Arfa, um dos destaques do último Campeonato Francês, e alegou que ambos "pagaram pelas origens norte-africanas".

Um dos comediantes mais populares da França, Djamel Debbouze, de origem marroquina, usou na segunda-feira um argumento parecido ao afirmar que eles "pagaram pela situação social do país".

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.