Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/03 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/03 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/03 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/03 09h30 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/03 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

100 anos depois, ossos e vestígios da Batalha de Verdun ainda são encontrados

Por
100 anos depois, ossos e vestígios da Batalha de Verdun ainda são encontrados
 
Foto de junho de 2014 mostra uma trincheira no campo de batalha de Verdun, nordeste da França, anteriormente chamado "Boyau de Londres". FREDERICK FLORIN / AFP

Neste fim de semana, França e Alemanha se reúnem em Verdun, no nordeste francês, para lembrar os 100 anos de uma das batalhas mais sangrentas da história, e a mais mortífera da Primeira Guerra Mundial. Setecentos mil soldados deixaram a vida nos campos da cidade próxima da fronteira entre os dois países – e até hoje, vestígios dessa tragédia são encontrados na região.

É o que mostra uma reportagem publicada nesta semana na revista M, do Le Monde. Nos passeios pela floresta de Verdun, guias e turistas se deparam com esqueletos, projéteis e outros traços da batalha. Durante aqueles 300 dias de 1916, 60 milhões de disparos foram feitos por franceses e alemães, um confronto que mudou o relevo da cidade e traumatizou os que sobreviveram ao conflito.

A reportagem narra o impacto na vida de Gérald Colin, que herdou a profissão de guia florestal do avô, uma testemunha de Verdun. Sensibilizado pela violência da batalha, o francês se tornou obcecado pelo assunto: tem mais de 1,2 mil livros sobre o tema e conhece o acidentado terreno da região como a palma da mão. “No dia seguinte ao armistício de 11 de novembro de 1918, Verdun parecia uma paisagem lunar”, relata a revista. “A agricultura foi proibida na região, mas, rapidamente, a natureza retomou os seus direitos. Os troncos que se pensava mortos se mexeram de novo”, diz o texto.

Pessoas caminham na floresta de Verdun para visitar as ruínas da batalha de Verdun. JEAN-CHRISTOPHE VERHAEGEN / AFP

“Poilus” não queriam que o campo fosse arborizado

Mas recuperar Verdun não foi tarefa fácil. Os projetos de rearborização dos campos eram sistematicamente rejeitados pelos ex-soldados, que preferiam ver a memória do local preservada, conta a revista M. Foram 10 anos de protestos, até que os “poilus”, como são chamados, aceitaram a ideia da plantação de uma floresta de 30 mil árvores.

Abrigo militar alemão de madeira ao lado do Forte de Vaux, em Flabas, leste da França. JEAN-CHRISTOPHE VERHAEGEN / AFP

Foi nesse contexto que milhares de destroços da batalha se esconderam nos campos agora verdes. O Memorial de Verdun estima que 80 mil mortos repousam sob a floresta plantada. O último esqueleto foi encontrado no último mês de fevereiro. Ao lado dele, um cartucho de balas Lebel, pedaços de uma máscara de gás e metade da placa de identificação do soldado.

Ossos no meio do passeio

A reportagem conta que, em 2013, turistas alemães chegaram a encontrar ossadas saindo da terra. Nessa ocasião, os exames legistas permitiram identificar restos mortais de 26 pessoas diferentes.

Além de ossos, cerca de 10 toneladas de material bélico são retirados da floresta todos os anos. Uma amostra é que, apenas durante a limpeza do local para as cerimônias previstas neste fim de semana, duas granadas foram localizadas próximas ao estacionamento onde François Hollande e Angla Merkel vão desembarcar.

Um funcionário da ONF (Office National des Forêts) mostra restos de uma sola de sapato de um soldado francês. JEAN-CHRISTOPHE VERHAEGEN / AFP

 


Sobre o mesmo assunto

  • França/História

    França inicia comemorações dos 100 anos da batalha de Verdun

    Saiba mais

  • Fato em Foco

    Primeira Guerra completa 100 anos e deixa heranças até hoje

    Saiba mais

  • Fato em Foco

    Europeus se dividem sobre comemorações da Primeira Guerra

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.