Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 12/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 12/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 12/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 12/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 11/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 11/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ong denuncia novos casos de crueldade com animais em abatedouro francês

media Em abatedouro no sul da França, associação faz vídeo mostrando crueldade com carneiros e bezerros. http://animaux.l214.com

Um mês após a divulgação de um vídeo com duras cenas de violências contra animais, a Ong L214 divulgou nesta terça-feira (29) imagens que escandalizaram a França. Desta vez, a gravação mostra bezerros e filhotes de ovelha sendo maltratados em um abatedouro bio, na cidade de Mauléon-Licharre, no sul da França.

O vídeo, feito com uma câmera escondida no último mês de março, mostra práticas chocantes e ilegais de abate de bovinos, sobretudo de animais com menos de 45 dias de vida. A L214 registrou uma queixa contra o abatedouro por maus-tratos e prática de atos crueis.

Como nas imagens divulgadas há um mês, os animais se debatem quando são pendurados no abatedouro para serem sacrificados. Indiferentes ao sofrimento, os empregados começam a cortar as patas e as cabeças dos bichos ainda vivos.

Atenção, as imagens podem chocar:

A Ong lembra que, mesmo que a morte dos animais nos abatedouros sempre seja violenta, a lei francesa e europeia estipulam que "o animal deve ser poupado de toda dor ou sofrimento que possa ser evitado no momento de seu sacrifício". A legislação também estabelece que os bichos também não podem estar conscientes no momento da morte.

Atividades de "alta qualidade"

O abatedouro de Mauléon-Licharre mata, a cada ano, cerca de 35 mil ovinos e 40 mil bovinos, produzindo 3 mil toneladas de carne. A empresa tem, no total, 33 empregados e garante que suas atividades são desenvolvidas dentro da mais alta qualidade. O estabelecimento tem a certificado de agricultura biológica.

Ao visualizar as imagens produzidas pela L214, o diretor do abatedouro, Gérard Clémente, se disse chocado. Ao jornal Le Monde, o empresário contou que visita frequentemente as instalações da empresa e tenta melhorar o tratamento dos animais há anos. Clémente culpa seus empregados pelos maus-tratos aos bichos.

Já o governo declarou que o caso será investigado. "Não podemos deixar que essa situação persista. Precisaremos reforçar os controles, com uma presença mais frequente de agentes [nos abatedouros] e, talvez, com câmeras de segurança", declarou o diretor-geral de alimentação do Ministério francês da Agricultura, Patrick Dehaumont.

Já a porta-voz da L214, Brigitte Gothière, reclama da falta de ação das autoridades diante da multiplicação de casos de maus-tratos de animais nos abatedouros franceses. "Os escândalos aparecem e continuam. Além dos discursos indignados, nada muda na prática", diz.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.