Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ameaça terrorista na França continua elevada, diz ministro

media Parisienses prestam homenagem às vítimas do atentado à casa de shows Bataclan, em Paris, que deixou mais de 90 mortos © Reuters

O nível de ameaça terrorista na França continua elevado, de acordo com o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve. Segundo ele, o risco de um atentado é "talvez ainda maior do que antes dos atentados de 13 de novembro”.

A prisão de Salah Abdeslam, na sexta-feira (18), um dos suspeitos de ter planejado os atentados que deixaram mais de 130 mortos na França, não atenua a ameaça, de acordo com o ministro.

A rede de terroristas, na verdade, é bem maior e mais articulada do que se pensava. “Ainda há muito a ser feito. Sejamos prudentes e trabalhemos para que a investigação possa continuar, com o depoimento de Salah Abdeslam e outros jihadistas que ainda devem ser presos”, declarou o ministro francês.

Depois da detenção do jihadista, a Interpol recomendou que a vigilância nas fronteiras continuasse reforçada, já que muitos cúmplices “poderiam tentar fugir”. O governo francês já havia aumentado o contigente de policiais em aeroportos e estações de trem desde os atentados de 13 de novembro, com mais de 5000 policiais.

“Ainda vamos acrescentar forças suplementares”, disse Cazeneuve, ao canal de TV francês TF1, neste sábado (19). A medida, disse o ministro, permitiu o controle de seis milhões de pessoas e impediu cerca de 10 mil de entrarem no território.

Salah Abdeslam vai recusar extradição

Salah Abdeslam, suspeito de ter planejado os atentados de 13 de novembro em Paris, foi indiciado neste sábado em Bruxelas por assassinato e participação em um grupo terrorista.

Durante seu interrogatório, depois de deixar o hospital na capital, ele afirmou que havia planejado cometer um atentado suicida no estádio em Saint Denis, na noite dos ataques, mas "voltou atrás", de acordo com informações do procurador de Paris, François Molins.

Segundo o advogado do jihadista, Sven Mary, ele vai recusar sua extradição para a França. O processo deverá demorar, no total, 3 meses, de acordo com o ministro da Justiça francês. O jihadista está atualmente detido em um presídio na cidade de Bruges, em um setor reservado para terroristas.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.