Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 09/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 09/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 09/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 09/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 07/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 07/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Para Thomas Piketty, Hollande não será o candidato da esquerda em 2017

media Piketty (primeiro à esquerda) em encontro do Partido Comunista Francês nesta segunda-feira (7). PCF

O economista francês Thomas Piketty, autor do best-seller mundial O Capital no Século XXI, está convocando a esquerda francesa a realizar primárias para escolher o candidato a sucessão de François Hollande. Para o intelectual, o atual presidente hoje não teria chances de vencer as prévias, caso decida disputar. A reforma de lei trabalhista melou em definitivo as relações do Poder Executivo com os militantes.

Se o presidente François Hollande ou o primeiro-ministro Manuel Valls “se apresentassem diante de um grupo de 3 ou 4 milhões de eleitores, acho que não ganhariam”, declarou Piketty no debate “Segundas-feiras de esquerda”, organizado pelo Partido Comunista francês como uma etapa de preparação às primárias.

Para Piketty, “o mais provável é que François Hollande se dê conta de que terá dificuldades para vencer a presidencial e que Manuel Valls não consiga muito mais do que os 5% obtidos na primária socialista de 2011”.

Rebelião na esquerda

O economista mencionou “todos estes eleitores descontentes”, que “exigirão explicações” do atual grupo político socialista no poder, responsável por dois projetos bastante contestados na esquerda: a retirada da nacionalidade de pessoas envolvidas com terrorismo e a reforma da lei trabalhista, conhecida por Lei El Khomri.

A reforma da lei do trabalho, avaliada como excessivamente liberal pela esquerda, foi considerada a gota d’água nas relações entre o executivo e sua base de apoio socialista. O secretário-geral do Partido Comunista, Pierre Laurent, disse que, se a esquerda for capaz de abrir um grande debate nas prévias, “o cursor não estará no mesmo lugar onde quer o executivo atual”, e convocou os socialistas a “não se deixar mais ferrar pelos que querem impor sua agenda”.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.