Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/08 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/08 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/08 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/08 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/08 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/08 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/08 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/08 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

"Em nome de Alá", jovem ataca professor judeu na França

media Soldado diante de escola judia após ataque a professor em Marselha, sul da França. Reuters

Um adolescente de 15 anos, turco de origem curda, atacou com um facão nesta segunda-feira (11), um professor judeu em Marselha, sul da França. O rapaz reivindicou o ato "em nome de Alá" e da organização Estado Islâmico (EI), informou o procurador Brice Robin.

A justiça de Marselha abriu uma investigação por "tentativa de homicídio por motivos religiosos" e "apologia ao terrorismo".

O jovem, que completará 16 anos na próxima semana, afirmou que "agiu em nome do Daesh" (acrônimo em árabe para o EI), afirmou o procurador, acrescentando que essa reivindicação ocorreu no momento da detenção e não da agressão.

"Trata-se claramente um ataque antissemita", com uma "forma de premeditação", disse Robin, indicando que o perfil do jovem "parece ser o de uma pessoa radicalizada por meio da internet".

Para autoridades, trata-se de agressão antissemita

O adolescente atacou o professor, de 35 anos, que usava um quipá, ferindo-o levemente nas costas e na mão, segundo testemunhas. A vítima leciona no Instituto Franco-Hebraico de Marselha. 

O autor do ataque fugiu deixando a arma na cena do crime, mas foi parado dez minutos mais tarde pela polícia. "Trata-se de um indivíduo muito perturbado, mas que reivindicou abertamente seu ato, que pode ser descrito como antissemita", declarou uma fonte próxima ao caso.

O ministro do Interior Bernard Cazeneuve e o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, expressaram indignação com o ato, que chamaram no Twitter de uma "agressão antissemita"

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.