Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Antes de se converter, mulher-bomba bebia, fumava e não lia o alcorão, diz jornal

media Hasna Ait Boulahcen era vista como uma rebelde antes de se converter. Reproduçao iTélé

O governo francês confirmou na manhã desta sexta-feira (20) a identidade da mulher-bomba morta em Saint-Denis, durante operação policial de quarta-feira. Trata-se de Hasna Ait Boulahcen, 26 anos, prima de Abdelhamid Abaaoud, considerado um dos mentores dos atentados em Paris, que também morreu no local. Segundo fontes do jornal britânico Daily Mail, Hasna levava um estilo de vida incompatível com as regras dos extremistas islâmicos, até se converter.

Descrita como uma “amante de festas e de bebida” por amigos, a jovem é considerada a primeira mulher-bomba europeia. Segundo o Daily Mail, Hasna tinha muitos namorados e foi apelidada de The Cowgirl, porque gostava de usar um chapéu de cowboy. O jornal também publica fotos da suposta terrorista seminua em uma banheira.

Seu irmão, Youssouf Ait Boulahcen, diz que Hasna nunca teve interesse em religião, nunca leu o Alcorão e teria começado a usar o véu muçulmano apenas há um mês, quando se aproximou do grupo Estado Islâmico, organização terrorista da qual seu primo fazia parte. “Ela vivia em seu próprio mundo. Não tinha interesse em estudar a religião e passava o tempo todo no seu telefone, no Facebook e no WhatsApp”, descreve o irmão.

Morte inexplicada

Amin Abou, um vizinho da jovem, a descreve como uma jovem normal para a sua idade, que gostava de festas, mas que tinha “má reputação” por ter “muitos namorados, beber e fumar”. Os pais de Hasna se separaram quando ela era pequena, e ela foi criada em diferentes famílias. Segundo amigos, ela cresceu em Saint Denis, cidade pobre do nordeste de Paris, e estaria “cercada de más companhias” desde a adolescência.

As circunstâncias em que Hasna teria “explodido” ainda não estão esclarecidas. Testemunhas afirmam que ela teria gritado “me ajude!” e “ele não é meu namorado”, se referindo ao primo terrorista, antes de explodir. As falas sugerem que ela poderia não estar de acordo com a atuação suicida.

Foi Hasna que acabou involuntariamente ajudando a polícia a encontrar Abaaoud. Foi a geolocalização do telefone da jovem que levou a investigação francesa ao apartamento na cidade de Saint-Denis, onde ela estava ao lado do primo, que acabou baleado e morto.

Errata: O jornal britânico Daily Mail publicou nesta semana duas fotos como sendo Hasna Ait Boulahcen, uma em uma banheira e outra em que aparece com amigos cujos rostos foram escondidos. As imagens foram reproduzidas pelas mídias do mundo inteiro, inclusive pela RFI, especificamente nesta matéria.  No entanto, fotos são de uma mulher marroquina, chamada Nabila. Ela contatou as autoridades francesas para indicar o erro e pedir que os meios de comunicação retirem sua foto e se retratem. A RFI retirou as imagens em questão desta matéria e pede desculpas por possíveis inconvenientes que tenha causado com a publicação delas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.