Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França pode ser alvo de novos atentados nos próximos dias, diz premiê

media O primeiro-ministro Manuel Valls na rádio RTL. Reprodução / RTL

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, disse nesta segunda-feira (16) que a França pode ser alvo de outros ataques terroristas “nos próximos dias ou nas próximas semanas”. Em entrevista à rádio RTL, o premiê convocou a população do país a se preparar para possíveis novos atentados.

“Não digo isso para criar medo, mas para que os franceses estejam plenamente conscientes”, ressalvou. A França bombardeou alvos estratégicos do grupo jihadista Estado Islâmico na Síria e as forças de segurança realizaram mais de 160 operações, com dezenas de detidos em território francês, em resposta aos atentados de Paris, que já tiveram cinco autores identificados.

“Os franceses retomam o trabalho, as crianças voltam à escola, a vida deve ser retomada, mas viveremos por muito tempo com esta ameaça terrorista e é preciso se preparar para novos ataques”, afirmou Valls na entrevista (assista ao vídeo abaixo).

Risco não apenas para a França

Ao meio dia em Paris, os franceses respeitaram um minuto de silêncio para recordar as vítimas dos atentados mais violentos da história do país, que deixaram pelo menos 129 mortos e mais de 350 feridos, muitos deles em estado grave. Várias cidades europeias seguiram a iniciativa, como sinal de solidariedade.

No domingo à noite, apenas 48 horas depois da tragédia, aviões franceses bombardearam a cidade de Raqa (norte da Síria), reduto do EI, que reivindicou os atentados. Os ataques destruíram um campo de treinamento e depósitos de armas, segundo autoridades francesas.

O governo reforça o dispositivo de segurança, com a convocação de 3.000 soldados adicionais em seu território, o que eleva a 10.000 o total de militares mobilizados desde os atentados de janeiro. O premiê ainda disse que outros ataques terroristas estão sendo preparados, "não apenas contra a França, mas contra outros países europeus".

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.