Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Hollande decreta três dias de luto após atentados de Paris

media François Hollande disse que atentados de Paris foi um ato de guerra. REUTERS/Stephane de Sakutin

O presidente francês, François Hollande, acusou neste sábado (14) o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) de ser responsável pelos ataques realizados na noite de sexta-feira (13) em Paris. O chefe de Estado decretou três dias de luto após os ataques que fizeram pelo menos 128 mortos e 250 feridos.

Em pronunciamento oficial na manhã deste sábado após se reunir com um conselho de defesa, Hollande qualificou os atentados de Paris de “ato de guerra”. Mesmo se o ataque ainda não foi oficialmente reivindicado, o líder francês disse que "o que aconteceu foi um ato de guerra (...) que foi cometido pelo grupo Estado Islâmico. Ele foi preparado, organizado, planejado no exterior, com cúmplices internos que a investigação deverá estabelecer". O presidente disse que “a França será implacável” e disse que "todas as medidas para garantir a segurança dos cidadãos serão tomadas como parte do estado de emergência" decretado na noite de sexta-feira.

Hollande também anunciou que um decreto foi assinado para proclamar “luto nacional de três dias”. O chefe de Estado não disse, no entanto, a partir de quando a medida seria implementada.

"O país está despedaçado", disse o presidente, antes de anunciar que falará na segunda-feira diante do Parlamento francês reunido em Congresso em Versalhes, perto de Paris, "para unir a Nação nesta provação". "O que estamos defendendo é a nossa pátria, mas é muito mais do que isso, são os valores da humanidade e a França vai assumir as suas responsabilidades", declarou solenemente François Hollande, que chamou os franceses "a se unir e manter o sangue frio".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.