Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Regiões da Champanhe e da Borgonha viram patrimônio mundial da humanidade

media Região da Champanhe foi pioneira na elaboração de espumantes, um método que data do início do século XVII. FLIKCR/ CREATIVE COMMONS

Um anúncio digno de um brinde: a Unesco decidiu integrar as regiões da Champanhe e da Borgonha à lista dos patrimônios mundiais da humanidade. A notícia foi comemorada pelas autoridades francesas, que prevêem incentivar ainda mais o turismo nessas áreas de produção das duas bebidas mais apreciadas do país: o champanhe e o vinho.

O comitê da Unesco responsável pela decisão inscreveu as colinas, casas e adegas da região da Champanhe, no nordeste da França, à lista. "Nesses locais foram desenvolvidos o método de elaboração de vinhos efervescentes, graças à segunda fermentação nas garrafas, desde o início do século XVII até o início da industrialização da bebida, no século XIX", explicou a organização. De denominação controlada, apenas os espumantes produzidos na Champanhe podem receber esse nome.

Já, na região da Borgonha, os vinhedos de Romanée-Conti, de Vosne-Romanée e de Montrachet foram tombados, "uma paisagem cultural", segundo a Unesco, que produz alguns dos vinhos mais prestigiados e mais caros do mundo, através de uma tradição que data da Idade Média.

Apoio financeiro

As candidaturas da Champanhe e da Borgonha, apresentadas em 2006, foram as únicas analisadas pelo comitê da Unesco neste ano. A inclusão também significa o apoio financeiro das Nações Unidas no trabalho da preservação dos locais.

Autoridades francesas comemoraram a decisão, que deve promover ainda mais o turismo na França, um aumento previsto em 20%. Para o presidente François Hollande, a decisão "marca o reconhecimento internacional do patrimônio excepcional dessas regiões e testemunha a diversidade e o dinamismo dos territórios franceses, que são a riqueza do país".

Com a inclusão da Champanhe e da Borgonha, a França conta hoje com 41 patrimônios mundiais da Unesco. A Itália ainda está no topo da lista, com 50 locais tombados. Já o Brasil conta com 19.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.