Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Prefeitura vai retirar milhares de "cadeados do amor" de ponte de Paris

media Cadeados do amor na Pont des Arts, em Paris, serão retirados Patricia Moribe

Muito romantismo pesa: a prefeitura de Paris vai retirar, a partir da segunda-feira (1°), centenas de milhares de "cadeados do amor" colocados na famosa Pont des Arts, sobre o rio Sena. A ponte, que oferece uma das melhores vistas da capital francesa, é conhecida mundialmente pelos cadeados que os casais colocam ao longo do parapeito antes de jogar a chave no rio.

Mas, no ano passado, parte do gradeado da ponte desabou, sem causar vítimas, em razão do peso do metal. Alegando "degradação do patrimônio e risco para a segurança dos visitantes", a prefeitura decidiu remover permanentemente os cadeados."Vamos retirar quase um milhão de cadeados, pesando cerca de 45 toneladas", explicou Bruno Julliard, vice-prefeito de Paris.

A prefeitura irá inicialmente substituir os painéis de madeira da ponte por "obras de vários artistas" antes de instalar "painéis de vidro", no outono. "É um pouco bobo e uma pena", lamentou John, de 57 anos, enquanto caminhava de braços dados com Marion, de 42 anos, sua "companheira ilegítima". "Há um simbolismo em prender um cadeado para selar o seu amor nesta ponte, aqui em Paris, a cidade do amor", diz esse turista do sul da França.

Criar um monumento

"Eles poderiam juntar todos os cadeados e criar uma espécie de estátua ou monumento", sugere o argentino Guillermo, de 33 anos, que, mesmo sabendo da retirada dos objetos na segunda-feira, resolveu colocar um na esperança de se casar com sua namorada. O guia Vincent Jouaneau, que acompanhava dois casais filipinos, disse que passará a levar os próximos turistas apaixonados à Pont Neuf, a algumas dezenas de metros, para colocar os cadeados em volta da estátua de Henri IV.

Mas a prefeitura já está preparada para coibir a colocação dos objetos em outras pontes, como a do Archevêché, atrás da catedral de Notre-Dame, outro local preferido pelos casais. "Nós desejamos que Paris continue sendo a capital do amor e do romantismo", disse Bruno Julliard, o vice-prefeito da cidade, anunciando uma campanha para sensibilizar os apaixonados a testemunhar o seu amor de outra maneira, como por meio de "selfies".

Origem

De Roma a Moscou, passando por Berlim, os cadeados do amor viraram febre em várias cidades europeias e são geralmente tolerados pelas autoridades. A prática parece ter começado em Roma, popularizada por dois romances de Federico Moccia, "Três Metros Acima do Céu" (1992) e "Sou Louco por Você" (2006). Neste último, os protagonistas colocam um cadeado com seus nomes em uma luminária da ponte Milvio, próxima de Roma, se beijam e jogam a chave no rio Tibre. O fenômeno se tornou mundial, com locais para colocar cadeados em países como Uruguai, China e Marrocos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.