Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Charlie Hebdo luta pela liberdade de expressão desde a sua criação

media Jornal "Charlie Hebdo" foi criado em 1970 REUTERS/Jacky Naegelen

O jornal satírico francês Charlie Hebdo, cuja redação foi atacada nesta quarta-feira (7) por dois homens armados que mataram 12 pessoas, tem uma história cheia de polêmicas desde a sua criação em 1970, como sucessor do jornal "Hara-Kiri". O Charlie Hebdo conservou o tom satírico do predecessor e continuou a criticar os poderes políticos e religiosos, usando caricaturas mordazes, crônicas e reportagens investigativas. François Cavanna (1923-2014), um dos fundadores do veículo, dizia que "o jornal não toleraria obstáculos a sua insolência".

Devido a problemas financeiros, o Charlie Hebdo deixou de circular em dezembro de 1981 para ser relançado apenas em 1992, unindo chargistas veteranos e uma nova geração - que incluía Tignous e Charb, dois dos jornalistas mortos no ataque desta quarta-feira. O partido francês de extrema direita Frente Nacional e todos os extremistas se tornaram os alvos favoritos do jornal. Devido às críticas irreverentes, o Charlie Hebdo foi processado diversas vezes na Justiça, mas era quase sempre absolvido, como em abril de 2010, em um processo movido por uma associação de extrema direita contra a edição "Spécial pape" (especial Papa).

Caricaturas de Maomé

Mas é em 2006 que estoura o maior escândalo do jornal, com a publicação de caricaturas do profeta Maomé, que já haviam sido publicadas pelo jornal dinamarquês "Jyllands-Posten", em 2005, e que provocaram uma grande onda de violência no mundo muçulmano. Processado por diversos grupos, cujos maiores representantes foram a Grande Mesquita de Paris e a União de Organizações Islâmicas da França, o jornal foi absolvido. Para a corte, as caricaturas não representavam uma "injúria" contra os muçulmanos, mas uma crítica aos terroristas.

Em 2009, o jornal comemorou a sua 900a edição com o novo título "Charlie 3" (terceira geração) e uma nova equipe, com Charb, morto no atentado, como diretor de redação. "Nos perguntamos o que temos que fazer para não indignar as pessoas", afirmou ele, antes do lançamento do número "Charia Hebdo" com "Maomé como redator chefe", em 2011. A edição provocou a ira de grupos islâmicos, e a sede do jornal foi alvo de um incêndio - com o lançamento de um coquetel molotov - sem vítimas.

Os outros dois jornalistas mortos no atentado foram Georges Wolinski, 80 anos, chargista mítico para toda uma geração, e Cabu, 76 anos, criador do personagem Grand Duduche.

 
O tempo de conexão expirou.