Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Roda de Capoeira entra para a lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Unesco

media Capoeira de roda deve ser reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade Adenilson Nunes /Secom

Como previsto, a roda de capoeira entrou oficialmente para a lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Unesco nesta quarta-feira (26). O anúncio foi feito nesta tarde pela organização, depois da reunião do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda, que está reunido desde o início da semana.

O anúncio não é exatamente uma surpresa. A missão brasileira permanente na Unesco já aguardava pelo resultado e ontem até mesmo promoveu  um coquetel para comemorar por antecipação a eleição. A luta afro-brasileira, que é praticada em mais de 160 países, se unirá ao Samba de Roda do Recôncavo Baiano (BA), à Arte Kusiwa-Pintura Corporal (AP), ao Círio de Nazaré (PA) e ao frevo. 

“A inscrição da roda da capoeira, que se dará, esperamos, nesta quarta, traz muita visibilidade e reconhecimento da Unesco e da comunidade internacional. A capoeira já é reconhecida universalmente. Nos quatro cantos do mundo, onde quer que você vá, sempre existe uma referência pelo menos à capoeira, uma escola de capoeira, uma demanda pela capoeira”, disse a embaixadora Eliana Zugaib, representante permanente do Brasil junto à Unesco.

“A capoeira tem nuances, tem pessoas que interpretam como um esporte, com valor esportivo, físico, de preparação. Mas ela é, principalmente, uma forma de resistência à escravidão e uma luta vitoriosa”, disse a presidenta do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Jurema Machado.

Considerada uma prática subversiva, a capoeira foi proibida no Brasil até 1930. Ela teria sido trazida pelos africano que habitavam a África Austral, onde fica a Angola. Aperfeiçoada nos quilombos, ela foi transmitida aos escravos fugitivos, que capturados pelos senhores de engenho, a ensinavam aos outros membros da senzala.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.