Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Grupo jihadista anuncia decapitação de refém francês

media Hervé Gourdel aparece em vídeo entre dois jihadistas após o rapto. @AFP

Uma organização ligada ao grupo Estado Islâmico afirma ter decapitado Hervé Gourdel, um francês raptado desde domingo na Argélia. Os extremistas haviam ameaçado matar o refém caso a França não interrompesse sua ofensiva militar contra os jihadistas no Iraque. O presidente François Hollande confirmou o assassinato e disse que vai continuar a combater o terrorismo. 

Os jihadistas do Jund al-Khilafa, movimento argelino que afirma ser ligado ao grupo Estado Islâmico, anunciaram a morte do refém por meio de um vídeo divulgado na internet. Nas imagens, Gourdel aparece ajoelhado e cercado por quatro homens armados e encapuzados.

O vídeo mostra o francês deixando uma mensagem de adeus para sua família e, em seguida, um dos homens lendo um texto no qual denuncia as “cruzadas criminosas francesas contra os muçulmanos da Argélia, Mali e Iraque”. O terrorista diz que o prazo dado à França para cessar sua “campanha contra o (grupo) Estado Islâmico” chegou ao fim e que decidiram matar o refém para “vingar as vítimas da Argélia e em apoio ao califado” no Iraque e na Síria.

O presidente francês François Hollande confirmou a morte de Gourdel, “assassinado covardemente e cruelmente”. Mas o chefe de Estado disse que o ato terrorista reforça sua determinação em continuar as operações militares no Iraque. Uma reunião do Conselho de Defesa já foi marcada para quinta-feira no Palácio do Eliseu, sede da presidência francesa.

"Não cederemos à chantagem"

Desde o rapto, Paris tem recusado negociar com os jihadistas. “Não cederemos à nenhuma chantagem, nenhuma pressão e nenhum ultimato, por mais odioso e abjeto que seja”, disse o chefe de Estado, antes do anúncio da morte do refém. 

A forma de apresentar a decapitação do francês reproduz os métodos usados pelo grupo Estado Islâmico no assassinato de James Foley e Steven Sotloff, dois jornalistas norte-americanos raptados na Síria, e do trabalhador voluntário britânico David Haines.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.