Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Procurador diz que ficha médica de Schumacher foi roubada na França

media As informações sobre o estado de saúde de Michael Schumacher (foto) estão sendo vendidas por R$ 150 mil reais. REUTERS/Scott Wensley/Files

Os registros médicos de Michael Schumacher foram provavelmente roubados em Grenoble, afirmou nesta terça-feira (24) o procurador encarregado da investigação, Jean-Yves Coquillat. Os documentos em questão são um relatório preparado pelo médico de Schumacher para os colegas suíços que assumiram o caso.

A polícia francesa ainda não pôde estabelecer formalmente essa hipótese, mas acredita que crime aconteceu na França e não durante a transferência do ex-piloto para a Suíça.

Na última quinta-feira, o hospital de Grenoble, onde Schumacher esteve internado durante quase seis meses, prestou queixa por roubo e violação de sigilo médico, depois de ser alertado pela família do alemão que documentos confidenciais sobre seu estado de saúde estavam sendo oferecidos a jornalistas. O hospital faz uma investigação interna para apurar se o sistema de informática do estabelecimento foi pirateado.

Por enquanto, nenhum veículo europeu publicou as informações médicas do campeão da Fórmula 1. Segundo o procurador de Grenoble, elas foram oferecidas a jornalistas alemães, franceses e suíços. O "vendedor" se comunica por email e cobra 50 mil euros, cerca de 150 mil reais, pela ficha médica de Schumacher.

Jean-Yves Coquillat afirma que, em seus contatos, o "vendedor" fornece detalhes do tratamento de Schumacher, para convencer seus interlocutores que dispõe do relatório completo, de 12 páginas.

A porta-voz do piloto, Sabine Kehm, adverte que a compra de informações médicas confidenciais é proibida por lei, e ameaça ir à justiça contra os veículos que ousarem desafiar a interdição.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.