Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França comemora Dia Nacional da Abolição da Escravatura

media O comércio de escravos nas colônias francesas foi abolido definitivamente em 1848 AFP/SEYLLOU

A França comemora nesta sexta-feira (10) o Dia Nacional da Abolição da Escravatura. Na ocasião, o presidente François Hollande deverá fazer um discurso no jardim de Luxemburgo lembrando a participação da França no tráfico negreiro que deportou mais de um milhão de africanos do século 17 ao fim do século 19.

Desde 2006, 10 de maio é reconhecido oficialmente na França como o dia nacional das memórias do tráfico negreiro, da escravidão e da abolição. A França é o único país do mundo que reconhece o cárcere e o trabalho forçado de negros e afrodescendentes como crime contra a humanidade, e também é uma das principais nações da União Europeia a lutar para que o bloco estabeleça um dia internacional para o reconhecimento das vítimas.

De acordo com uma pesquisa feita pelo conselho das associações negras da França, 63% dos franceses além-mares - onde se concentra a maior parte dos descendentes do tráfico negreiro francês - são favoráveis a uma retratação moral ou material pelos prejuízos causados pela escravidão.

Uma semana europeia de conscientização sobre escravatura, colonização e reparações acontecerá entre 13 e 17 de maio em Bruxelas. É uma oportunidade para a Europa reconhecer que uma parte considerável de sua riqueza provém do trabalho escravo e da colonização.

No Brasil, até poucos anos atrás, comemorava-se a abolição da escravatura pela Princesa Isabel, no dia 13 de maio. Ou seja, reconhecia-se o algoz e não as vítimas. Com a mudança do feriado para o 20 de novembro, muda-se também o ponto de vista pelo qual se encara a História. E, dessa forma, abre-se a discussão para as formas de recompensar as vítimas desta atrocidade.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.