Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Curdos protestam em Paris após assassinato de militantes do PKK

media Milhares de curdos desfilaram em Paris, neste sábado 12/01/2013, para homenagear as três ativistas assassinadas na última quinta-feira. Reuters

Cerca de 15 mil curdos, vindos de toda a Europa, desfilaram neste sábado em Paris para protestar contra o assassinato das três militantes ligadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). A manifestação aconteceu dois dias após as três mulheres curdas terem sido executadas a tiros na capital francesa.

Os manifestantes curdos vieram da Suíça, Bélgica, Holanda, Grã-Bretanha, mas principalmente da Alemanha. Emocionados e carregando milhares de bandeiras do PKK e de seu líder Abdullah Ocalan, preso na Turquia, eles homenagearam nas ruas de Paris "as mártires da revolução". As ativistas Sakine Cansiz, Fidan Dogan e Leyla Soylemes, foram assassinadas com vários tiros na última quinta-feira, em um centro de informação do Curdistão da capital francesa. Elas eram ligadas ao PKK.

No início da manifestação, uma organizadora condenou "esse crime contra o povo curdo e contra a paz". Ela pediu a prisão dos responsáveis pelos assassinatos, a suspensão do acordo de cooperação policial franco-turco e a retirada do PKK da lista de organizações terroristas.

Os organizadores do protesto ressaltam que os assassinatos podem prejudicar as negociações em curso com o governo turco para encontrar uma solução para a questão curda e suspeitam a Turquia de estar por trás das execuções. Eles dizem que a França poderá ser considerada cúmplice se não elucidar o crime.

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, também pediu neste sábado que a França descubra o mais rápido possível os autores dos assassinatos, mas não deixou de dizer que as vítimas eram ligadas a uma organização terrorista.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.