Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França defende julgamento de criminoso nazista encontrado em Budapeste

media Laszlo Csatary foi localizado por jornalistas do "The Sun", conforme reportagem publicada neste domingo 15 de julho de 2012. DR

O ministério francês das Relações Exteriores defendeu hoje que o criminoso nazista Laszlo Csatary, de 97 anos  localizado por jornalistas ingleses em Budapeste, seja julgado na Hungria. Bernard Valero, porta-voz da chancelaria francesa, lembra que os crimes nazistas são imprescritíveis, isto é, podem ser julgados em qualquer prazo. 

Segundo o porta-voz francês, o procurador-geral de Budapeste informou que examinará o caso de Laszlo Csatary e "as autoridades húngaras devem decidir que tratamento dar aos fatos na justiça".

Laszlo Csatary foi chefe de polícia de um gueto judaico que ficava na cidade eslovaca de Kosice (Kassa, em húngaro), onde 15.700 judeus foram assassinados ou deportados para o campo de exterminação de Auschwitz, na Polônia, durante a Segunda Guerra Mundial.

"Todos sabem que foram os alemães que organizaram a solução final" (Serge Klarsfeld) 16/07/2012 Ouvir

Repórteres do jornal britânico The Sun anunciaram neste domingo ter localizado o paradeiro do criminoso nazista. Csatary vive há 17 anos em Budapeste sob sua própria identidade, depois de passar um período desaparecido. Ele nunca foi incomodado pelas autoridades locais, apesar de um pedido encaminhado pelo Centro Simon-Wiesenthal, baseado em Jerusalém, há dez meses.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.