Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França celebra os 600 anos de Joana D’Arc em meio a campanha

media Imagem de Joana D'Arc datando de 1505. Getty Images

Os franceses celebram nesta sexta-feira, 6 de janeiro, os 600 anos do nascimento de Joana D'Arc, figura mítica, queimada viva em 1431. Heroína militar e ícone religioso, o personagem histórico também integrou a cena política contemporânea, usada como musa da extrema-direita nas últimas duas décadas.

A França comemora o aniversário de Joana D’Arc, uma de suas principais heroínas do país. Nascida em 1412 na cidade de Domrémy, a chefe de batalha que simbolizou a luta contra as forças inglesas durante a guerra dos 100 anos (de 1337 a 1453), é até hoje uma das figuras emblemáticas da história francesa. Queimada viva após ter sido condenada por heresia, ela foi durante muito tempo um mártir, antes de ser beatificada e canonizada no início do século XX.

Denis Rolland, historiador 06/01/2012 Ouvir
"Até a Segunda Guerra Mundial a Joana D’Arc também era um tema de mobilização para a esquerda francesa"

Mas com o passar dos anos Joana D’Arc também se tornou um trunfo para as forças políticas francesas, que usam a heroína como um símbolo da união do país. Mas mesmo se ela foi utilizada pelos republicanos, pelos monarquistas, pelos católicos e pelos laicos, sua imagem está principalmente associada à extrema-direita atual. Um dos exemplos é a tradicional passeata do dia 1° de maio do partido Frente Nacional, que termina todos os anos com um discurso em frente a estátua de Joana D’Arc em Paris. Mas com a aproximação das eleições presidenciais, muitos analistas ressaltam que o personagem é aproveitado pelos demais partidos, inclusive pelo chefe de Estado, que tenta sua reeleição nesse momento.

Nessa sexta-feira, durante um discurso para celebrar o aniversário da heroína, Nicolas Sarkozy homenageou a líder da “resistência” da França. Em resposta às críticas da oposição, que o acusam de tentar seduzir eleitores da extrema-direita em plena campanha para a reeleição, o presidente disse que “Joana D’Arc não pertence a nenhum partido, a nenhuma facção e a nenhum clã”.

O discurso do chefe de Estado acontece um dia antes da festa de comemoração do aniversário da heroína organizada pela Frente Nacional em Paris. A candidata do FN às presidenciais, Marine Le Pen, ironizou a posição de Sarkozy. “Eu fico muito contente de ver que a Frente Nacional é potente e que obrigue o presidente da República a homenagear essa grande figura que pertence a todos os franceses e que deveria inspirar o presidente”, disse a candidata.

 
O tempo de conexão expirou.