Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 28/04 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 28/04 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 28/04 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 28/04 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 28/04 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 28/04 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Sem soldados vivos, França comemora fim da Primeira Guerra

media No Arco do Triunfo, em Paris, Nicolas Sarkozy dá a mão a filhos de soldados mortos no Afeganistão. REUTERS/Philippe Wojazer

Sem a presença do último combatente francês na Primeira Guerra Mundial, que morreu no ano passado, a França comemora hoje os 93 anos do fim do conflito com a inauguração do Museu da Grande Guerra, em Meaux, perto de Paris. O estabelecimento, construído sobre o local onde ocorreu a Batalha da Marne, uma das mais sangrentas da guerra, celebra a paz em um espaço futurista.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, participou da inauguração do local, que abriga 50 mil objetos, uniformes, peças de armas e documentos, reunidos ao longo dos últimos 40 anos em feiras e leilões pelo historiador Jean-Pierre Verney, um dos maiores especialistas sobre a Primeira Guerra.

As homenagens aos combatentes começaram no Arco do Triunfo, na capital francesa. Foi a primeira cerimônia em que não houve a participação de um “poilu” (peludo, como ficaram conhecidos os soldados que lutaram no conflito), agora que todos os combatentes franceses faleceram. Sarkozy preferiu homenagear, então, todos os soldados mortos pela França e fez uma lembrança especial aos 24 mortos ao longo do último ano, no Afeganistão. Todos os ministros do governo também participaram das celebrações, nesta sexta-feira que é feriado na França e em vários outros países da Europa para comemorar o armistício de 11 de novembro de 1918.

A tarde, o presidente foi ao Museu da Grande Guerra, construído com concreto, aço e vidro e desenhado pelo arquiteto Christophe Lab. O diferencial do projeto é que não se trata de um museu militar como os outros do país, mas aborda as causas e consequências políticas do conflito, que deixou 8 milhões de mortos, a vida pessoal dos soldados e a destruição das populações civis atingidas pelos combates.

“Vamos tocar no sentimento do visitante, levando-o para uma trincheira, por exemplo, onde ele vai ver as imagens, o frio, o confinamento, o medo, a noite”, comentou Michel Rouger, diretor do museu.
 

 
O tempo de conexão expirou.