Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ex-ministro socialista defende a legalização da maconha na França

media Daniel Vaillant RFI

Como acontece no Brasil, o debate sobre a descriminalização das drogas também esquenta na França. Um grupo parlamentar liderado pelo ex-ministro do Interior Daniel Vaillant, do Partido Socialista, lançou um relatório defendendo a legalização do cultivo e da venda da maconha na França.

A proposta socialista vai muito além da simples descriminalização do consumo de maconha na França. O grupo parlamentar defende a legalização do cultivo e da venda da droga no país, mas o setor seria controlado pelo Estado, a exemplo do que já acontece com o tabaco.

O ex-ministro do interior e deputado socialista, Daniel Vaillant, que preside o grupo, acredita que esta legalização controlada é a única solução para diminuir o consumo e acabar com o tráfico da droga no país. "Apesar da França ter uma das legislações mais repressivas contra o consumo de maconha da Europa, o número de usuários da droga no país é um dos mais elevados do continente", afirma Vaillant. 1,2 milhão de franceses seriam consumidores regulares de maconha.

O método proposto é revolucionário, garante o relatório do grupo parlamentar. O cultivo orgânico de 53 mil hectares de maconha poderia redinamizar regiões agrícolas francesas e a venda seria feita somente em bares autorizados ou em coffeshops onde os consumidores também poderiam fumar um baseado. Mas a liberalização tem limites: a venda para menores e o consumo em locais públicos continuariam proibidos, a multa para quem dirigir depois de fumar um baseado aumentaria e a repressão ao tráfico seria intensificada.

A proposta divide até os próprios parlamentares socialistas e não tem nenhuma chance de integrar o programa de campanha do partido para as presidenciais de 2012. Para não criar polêmica e espantar os eleitores mais conservadores, o PS propõe um grande debate público sobre o tema depois das eleições. O Partido Verde francês é o único que defende em seu programa de governo para 2012 a descriminalização das drogas leves na França.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.