Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Homenagem às vítimas do AF 447 reúne 300 pessoas em Paris

media Homenagem aos passageiros mortos na catástrofe do voo AF 447. Laurent Masson / Air France

A cerimônia, no cemitério parisiense Père Lachaise, marca os dois anos do acidente com o voo AF 447. Cerca de 300 familiares e amigos das 228 vítimas do acidente participam da homenagem organizada pela Air France. Mas a cerimônia foi boicotada pela maioria das famílias de vítimas brasileiras.

Os familiares das vítimas do voo AF 447 da Air France começaram a chegar ao cemitério Père Lachaise, em Paris, pela manhã. Eles foram recebidos em duas salas. A primeira acolheu os parentes estrangeiros, incluindo os brasileiros, e a segunda os franceses e alemães. A cerimônia que marca os dois anos do acidente com o avião que fazia a rota Rio-Paris foi organizada pela companhia aérea francesa, que pagou todos os custos do evento, incluindo as passagens aéreas das pessoas que moram no exterior.

As cerca de 300 pessoas que aceitaram o convite da Air France almoçaram juntas e às 15 horas, no horário francês, 10 horas no horário de Brasília, participaram de um culto ecumênico. O presidente da Air France, Pierre-Henri Gourgeon, participou do evento, mas não quis falar com a imprensa. A cerimônia seguiu as tradições das religiões católica, muçulmana, judaica e protestante.

Ontem, o diretor-executivo de uma das Associações de Familiares das Vítimas, o brasileiro Marteen Van Sluys, disse em entrevista à RFI que a maior parte das famílias brasileiras não iria participar das homenagens aos passageiros mortos, realizadas tanto na França quanto no Brasil. Segundo ele, "não há sentido fazer parte de uma cerimônia organizada pela empresa, que foi indiciada por homicídio culposo e acusada de negligência".

Débora Barochel, entrevistada por Victória Álvares 01/06/2011 Ouvir

A RFI ouviu a brasileira Débora Barochel, que mora na Alemanha e esteve hoje no cemitério Père Lachaise. Débora perdeu o seu marido na queda do avião e afirmou ter ido ao cemitério francês para prestar uma homenagem pessoal às vítimas da tragédia. Ela critica o evento organizado pela Air France e diz achar "estranho" que poucos dias antes do aniversário de 2 anos da catástrofe tantas novidades tenham vindo à tona.

Quem explicou o objetivo da cerimônia foi o secretário-geral do grupo Air France-KLM, Bertrand Lebel: "nós organizamos este evento a pedido das famílias das vítimas que desejavam se encontrar nesta data para relembrar e homenagear juntas os seus entes queridos falecidos na tragédia".

No acidente, 228 pessoas de 32 nacionalidades diferentes perderam a vida na noite de 31 de maio para 1° de junho de 2009. Entre os mortos, 59 eram brasileiros.

Resgate dos corpos

Fontes da justiça francesa confirmaram que mais 75 corpos das vítimas do acidente, incluindo os dois recuperados no início de maio, foram resgatados pela equipe a bordo do navio Ile de Sein, nesta última fase de buscas. Logo após o acidente, em junho de 2009, 50 corpos já haviam sido recuperados. A previsão é que a operação de resgate dos corpos termine este mês. Em seguida, os peritos da Justiça francesa devem iniciar a análise do DNA dos restos mortais das vítimas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.