Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Polícia francesa interpela 30 mulheres por uso ilegal da burca

media Mulheres de burca em frente a um posto de polícia em Paris. Reuters

Um mês após a entrada em vigor da chamada lei da burca, proibindo o uso do véu islâmico integral, o governo francês fez um balanço da aplicação da polêmica medida.

Em um mês de aplicação da lei, 30 mulheres foram interpeladas por policiais mas não foram obrigadas a pagar a multa de 150 euros (R$ 345), segundo o ministro do Interior francês, Claude Guéant. O balanço é considerado positivo pelo ministro, pois "prova que o temor de que a lei seria inaplicável no dia-a-dia foi superado". 

As interpelações das mulheres de burca ou niqab vão se tornando folclóricas. Uma das mulheres repreendidas foi uma americana residente a 70 km de Paris. Ela foi autuada no Aeroporto Internacional Roissy Charles de Gaulle, quando voltava de uma viagem à Arábia Saudita. Na hora de passar pelo controle de passaportes, a americana aceitou retirar o véu e mostrar o rosto, mas depois de deixar a área da alfândega ela se cobriu novamente. Policiais do controle de fronteiras acabaram interpelando a mulher pela rebeldia no saguão do aeroporto.

Em abril, uma mulher de niqab entrou na Assembleia Nacional numa atitude de provocação e ficou desfilando diante dos deputados e policiais que fazem a segurança da Casa. A associação Não Toque na Minha Constituição, que defende mulheres usuárias do véu islâmico integral, aguarda a primeira multa para levar o caso à Corte Europeia de Direitos Humanos.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.