Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Novo premiê britânico Boris Johnson quer Brexit em outubro "custe o que custar"

media O novo premiê britânico Boris Johnson durante discurso no 10 Downing Street, em Londres, em 24 de julho de 2019. REUTERS/Hannah McKay

Boris Johnson prometeu negociar um "novo e melhor" acordo para o Brexit e insistiu na data de 31 de outubro, "sem 'ses' nem 'mas'". Um dia após ser eleito líder do Partido Conservador, o ex-chefe da diplomacia foi nomeado oficialmente chefe do governo pela Rainha Elizabeth II. "As pessoas que apostam contra o Reino Unido vão perder", acrescentou o novo primeiro-ministro, durante discurso em Downing Street nesta quarta-feira (24).

O Reino Unido deixará a União Europeia em 31 de outubro, "ponto", disse nesta quarta-feira (24) Boris Johnson em seu primeiro discurso como o novo chefe do governo britânico.

Boris Johnson se apresenta à rainha como paarte do protocolo para assumir a chefia de governo do Reino Unido. Victoria Jones/Pool via REUTERS

O líder conservador disse ainda que obteria "um novo acordo, um acordo melhor" com o bloco europeu, que exclui a renegociação do tratado negociado por Theresa May.

"Vamos manter as repetidas promessas do Parlamento para o povo e deixar a UE em 31 de outubro", insistiu Johnson.

"Pessimismo"

Ele reiterou que, se isso acontecesse às custas de uma saída sem acordo, seu país estaria pronto, denunciando o "pessimismo" dos anti-Brexit, que temem as conseqüências econômicas de uma ruptura repentina após 46 anos de união.

Três anos após o referendo em junho de 2016, quando 52% dos britânicos votaram pelo Brexit, "os cidadãos estão cansados ​​de esperar", martelou Boris Johnson, "é hora de agir".

A "prioridade imediata" de Boris Johnson será efetivar o Brexit, enfatizou Theresa May tem seu último discurso, desejando "boa sorte" ao seu sucessor, a quem ela deixa um país ainda profundamente dividido.

Johnson deve agora revelar a composição de seu governo. Haverá mais mulheres e mais representantes de minorias étnicas, segundo a imprensa britânica. O novo premiê já nomeou Dominic Cummings, o polêmico diretor da campanha oficial do Brexit no referendo de junho de 2016, como seu conselheiro, disse uma fonte próxima à sua equipe.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.