Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Pedro Sánchez perde primeiro voto de confiança dos deputados na Espanha

media O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sanchez, reage durante o segundo dia do debate de investidura no Parlamento de Madri, Espanha, em 23 de julho de 2019. REUTERS/Sergio Perez

O Parlamento espanhol rejeitou nesta terça-feira (23), em uma primeira votação, a posse como chefe de governo do socialista Pedro Sánchez. Ele deve buscar antes de quinta-feira (25) o apoio da coligação de esquerda Unidas Podemos, com quem trava difíceis negociações para formar uma coalizão.

O atual líder em exercício espanhol obteve 124 votos a favor, 170 contra e 52 abstenções, longe da maioria absoluta de 176 dos 350 deputados de que precisa. Boa parte dos votos negativos vieram da esquerda radical e da coligação Unidas Podemos com quem os socialistas travam duras negociações desde sexta-feira (19).

Agora Sánchez tem até a quinta-feira, data do segundo turno das votações, para tentar conquistar mais apoio. Nesta segunda rodada, uma maioria simples já bastaria para chegar a um acordo.

Se isso acontecer, e a coligação Unidas Podemos mudar suas abstenções para “a favor”, a Espanha terá seu primeiro governo de coalizão de esquerda desde 1936, quando começou a guerra civil no país.

Pessimismo

Mas o caminho para que esse acordo aconteça está cercado de farpas, já que é nítida a tensão entre Pedro Sánchez e o chefe do Unidas Podemos, Pablo Iglesias. “A continuidade de Sánchez no poder está longe de ser algo fácil”, escreve Antônio Barroso, da consultoria Teneo Intelligence, em nota publicada na segunda-feira (22).

Pablo Iglesias chegou a concluir sua intervenção advertindo que, sem um governo de coalizão, Pedro Sánchez "jamais presidirá" o governo. O Podemos já não exclui a possibilidade de votar contra o líder socialista.

"No momento, somos a favor do não", afirmou Ione Belarra, deputada do partido. "O que eles nos propõem nessas negociações é um simples papel de figuração no governo."

A esquerda radical acusa os socialistas de negarem a ela todos os ministérios e outras pastas importantes: Trabalho, Finanças, Transição Ecológica, Igualdade.

Catalunha

Para complicar a tarefa, a retomada dos debates nesta terça-feira será marcada pela questão catalã. O separatista catalão Gabriel Rufian, cujo grupo deve se abster para permitir que Pedro Sánchez seja reconduzido, acusou-o de ter sido "irresponsável e negligente". "Não aposte como certa a nossa abstenção. (...) Você tem 48 horas para entrar em acordo" com a esquerda radical, advertiu, censurando-o por mal ter mencionado a Catalunha em seu discurso político.

Pedro Sánchez é firmemente contrário à principal exigência dos separatistas de um referendo de independência na Catalunha.

“Se deixarmos de lado nossas diferenças e pararmos de nos denegrir (...) talvez possamos chegar a um acordo”, respondeu Sánchez, buscando dar ênfase às várias propostas vinculadas à esquerda que ele fez durante seu discurso.

Se um acordo não for encontrado na quinta-feira, Pedro Sánchez terá dois meses para tentar uma nova rodada de votações. Se voltar a falhar, novas eleições legislativas acontecerão dia 10 de novembro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.