Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Salvini fecha centro de migrantes na Sicília e quer proibir navios de Ongs em águas italianas

media O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, ao lado de pertences empilhados de ex-moradores do centro de migrantes de Mineo, na Sicília. 09/07/2019. Andreas Solaro/AFP

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, continua sua campanha contra os migrantes. Após defender o fim das operações de salvamento no Mar Mediterrâneo, na segunda-feira (8), o líder participou, nesta terça-feira (9), do fechamento de um dos maiores centros de acolhimento de refugiados da Europa.

Localizado em Mineo, na Sicília, o centro de acolhimento foi instalado em 2011 numa antiga base militar americana. O local teve um pico de população em julho de 2014, com mais de 4.100 integrantes. Com a chegada de Salvini ao Ministério do Interior, em junho de 2018, a quantidade de migrantes diminiu para 2.500.

"Promessa mantida!", comemorou o homem forte do governo italiano uma semana antes, quando as últimas pessoas foram transferidas do centro para uma outra estrutura de acolhimento de migrantes na Calábria.

Centro polêmico

O centro de Mineo foi alvo de inúmeras polêmicas, entre a superpopulação e a oposição de muitos moradores locais. Para muitos habitantes da cidade de cinco mil pessoas, abrigar quatro mil migrantes, de 85 nacionalidades, não era bem visto. Em janeiro, a polícia desmantelou uma célula mafiosa nigeriana que se instalou no centro, que promovia o tráfico de cocaína, maconha, além de uma rede de prostituição.

Além da preocupação com a criminalidade, a instalação do centro foi alvo de ciúmes da população local mais carente. Os migrantes também foram criticados por prejudicarem o mercado dos trabalhadores temporários durante a colheita de laranja na Sicília, já que os estrangeiros se dispõem a trabalhar sem serem registrados por apenas € 10 ou € 20 por dia.

Por outro lado, o centro empregava cerca de 400 pessoas. O prefeito de Mineo, Giuseppe Mistretta, ameaça renunciar caso o Estado não ajude a cidade a realizar uma transição. Cerca de 50 ex-empregados e sindicalistas realizaram um protesto nesta terça-feira, durante a chegada de Salvini ao local.

Bloqueio dos salvamentos no mar

Depois de fechar o centro de Mineo, Salvini deve se dedicar a outra questão que julga prioritária: o cerco às Ongs que socorrem migrantes com navios no Mar Mediterrâneo e atracam na Itália. Na segunda-feira (8), o ministro convocou em regime de urgência o Comitê Nacional para a Ordem e a Segurança para discutir medidas que reforcem a proibição que embarcações humanitárias ancorem nos portos italianos, como aconteceu com o "Sea Watch 3" há algumas semanas.

Em parceria com o Ministério da Defesa, Salvini prevê a utilização de navios da marinha militar para bloquear as embarcações de migrantes antes que eles cheguem às águas territoriais italianas. O ministro também quer o reforço da polícia nos portos do país, especialmente em Lampedusa.

Além disso, o governo italiano pretende utilizar radares e aviões para interceptar navios autônomos no momento em que partem da Líbia. O objetivo é advertir a tempo os policiais líbios para que intervenham antes de essas embarcações de migrantes chegarem às águas territoriais italianas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.