Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Conservador formado em Harvard e Stanford tira esquerda do governo na Grécia

media O líder conservador Kyriakos Mitsotakis (centro) chega à sede de seu partido, Nova Democracia, ao lado da filha Dafni. REUTERS/Costas Baltas

O partido Nova Democracia venceu as eleições legislativas antecipadas realizadas neste domingo (7) na Grécia. Segundo projeções do Ministério do Interior, a legenda conservadora, do líder Kyriakos Mitsotakis, obteve 39,8% dos votos, contra 31,5% do partido de esquerda radical Syriza, há quatro anos no poder. O primeiro-ministro Alexis Tsipras reconheceu a derrota.

Os conservadores devem conquistar 167 cadeiras das 300 vagas do Parlamento grego, uma maioria confortável. A bancada do Syriza deve enxugar para cerca de 80 deputados, contra 144 até a votação deste domingo.

Três anos depois de assumir a direção do partido, Mitsotakis, 51 anos, futuro primeiro-ministro, é apresentado como um reformista próximo do setor empresarial. Durante a campanha, ele prometeu relançar a economia, criar empregos de maior qualidade e deixar uma década de crise econômica e financeira para trás. Ele costuma ser comparado ao presidente francês, Emmanuel Macron.

Tsipras assumiu o governo no auge da crise e, hoje, é acusado de ter tomado medidas de austeridade drásticas demais, que sufocaram principalmente a classe média, com o objetivo de tirar o país do aperto fiscal. Pouco antes da votação, ele disse que os gregos deveriam se lembrar de onde estava a Grécia em 2014 e onde ela está agora. Mas afetado pelo fracasso nas eleições europeias e locais de maio e junho, o primeiro-ministro, cujo mandato a princípio terminaria em outubro, convocou eleições antecipadas. As maiores conquistas do governo do Syriza foram a alta do salário mínimo, o 13° para os aposentados e a união civil para os casais homossexuais.

Filho de ex-premiê

Durante a campanha, Mitsotakis viajou por todo o país para promover seu programa. Ele prometeu sangue novo, apresentando muitos candidatos com menos de 40 anos e personalidades "de sua geração ou mais jovens" em seu governo. Diplomado nas universidades americanas de Harvard e Stanford, ele vem de uma família tradicional na política grega. Seu pai, Konstantinos Mitsotakis, foi primeiro-ministro da Grécia de 1990 à 1993. Sua irmã mais velha, Dora Bakoyannis, foi ministra da Cultura, das Relações Exteriores e prefeita de Atenas. O filho dela, Kostas Bakoyannis, é o atual prefeito da capital grega.

Ex-consultor da McKinsey em Londres, Mitsotakis foi ministro da Reforma Administrativa sob o último governo conservador de Antonis Samaras (2012-2014). No auge da crise, ele foi instruído a demitir 15.000 funcionários sob pressão dos credores. Os cortes foram interrompidos pelas eleições antecipadas em janeiro de 2015, mas a fama de ser um administrador rigoroso persistiu.

À esquerda, Mitsotakis é visto como um líder que deu à Nova Democracia um perfil nacionalista e neoliberal. Após a sua eleição em 2016 como dirigente da NA, ele nomeou como vice-presidente do partido Adonis Georgiadis, um ex-membro do partido de extrema direita Laos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.